Home Bogotá Colômbia: informações que você precisa saber antes de viajar

Colômbia: informações que você precisa saber antes de viajar

por Gabriela Mendes
o-que-saber-antes-viagem-colombia

Nesta matéria você encontra tudo que precisa saber para o planejamento de uma viagem para a Colômbia: um pouco do contexto histórico e atual, quais são as principais atrações e destinos, como se locomover, qual moeda levar, notas sobre segurança, informações práticas como documentos, visto e língua. No final ainda tem uma relação do quanto eu gastei no meu roteiro de um mês e todos os posts que temos sobre o país.

Entenda a Colômbia: história e atualidade

Teve gente que me achou maluca quando eu falei que faria uma viagem sozinha pela Colômbia. “Mas não é perigoso?”, me perguntavam. Realmente o país passou por tempo sombrios com as guerrilhas e o narcotráfico – vide Pablo Escobar – e ainda enfrenta dificuldades para se reerguer.

Bom, como nós, brasileiros, sabemos bem, a América Latina tem derramamento de sangue desde o prelúdio de suas colonizações, que deixaram heranças pouco favoráveis para o nosso desenvolvimento. Na Colômbia não foi diferente: as consequências do massacre de povos indígenas, escravidão e forte desigualdade social existem até hoje. Cartagena, inclusive, foi o maior porto de escravos depois do Rio de Janeiro – (se quer saber sobre o tema, aperte no link). 

Porém, a Colômbia é conhecida mundialmente por dois problemas: narcotráfico e guerrilhas, que começaram no meio do século XX e que geraram graves consequências para a população. E ainda geram. Não há quem não associe o país à Pablo Escobar e essa parte da história tem uma opinião muito dividida entre os próprios colombianos. Foi a partir de 1964 que as FARCs e grupos paramilitares começaram a se formar e inaugurar um novo período de muitos sequestros, assassinatos e violência no país, geralmente relacionados ao tráfico de drogas e disputa de terras nas áreas rurais. Pablo Escobar entrou em cena em 1984 e em 1993 foi assassinado em Medellín, fazendo com que o país girasse em torno do comércio da cocaína e quartéis por quase 10 anos. Mas veja bem, Medellín que já foi considerada uma das cidade mais perigosas do mundo, atualmente tem o título de uma das mais inovadoras.

Todo esse contexto gerou fortes consequências para a Colômbia, que tinha uma péssima imagem para o resto do mundo e uma instabilidade social e econômica que realmente não favorecia o turismo. Foi só a partir de 2006 que tudo começou a se acalmar, devido aos acordos feitos do governo com as FARCs e ao desenvolvimento interno do país, que começou a girar. 

Porém, as guerrilhas rurais continuam presentes, principalmente no sul, e a Colômbia ainda é a principal exportadora de cocaína do mundo. Ainda sim, é um país extraordinário para viajar, seguro e com um povo muito receptivo. Só tenho boas experiências pra contar e acredito que este é o momento que o turismo está mais propício, com muitas iniciativas conscientes e lugares muito bonitos que antes eram perigosos e agora estão abrindo as portas para e estrangeiros e até para os próprios colombianos. Apesar de tudo ter se acalmado, faço um destaque para os viajantes nunca deixarem esse contexto de lado e procurarem sempre tours e iniciativas sustentáveis ao montar um roteiro pelo país

medellin-comuna-13-colombia

Esperança: intervenção urbana na entrada da Comuna 13, que já foi a mais perigosa de Medellín

Drogas na Colômbia

O tráfico de drogas ainda é gritante em toda Colômbia, você percebe isso nos primeiros minutos que coloca os pés em qualquer cidade: acostume-se a andar nas ruas e ser abordado várias vezes por pessoas vendendo drogas. Mas tome muito cuidado ao tratar desse assunto com os colombianos, eles detestam (com toda razão) serem associados ao narcotráfico e à cocaína. Vale a pena colocar a mão na consciência e pensar que o famoso Pablo Escobar e todos os quartéis que existiram e ainda existem no país, geraram muitas mortes e consequências irreparáveis para a população.

Observação: para entender um pouco mais desse assunto, não deixe fazer o tour no centro de Medellín da Real City Tours e, em seguida, visitar o Museu da Memória. Pelo amor de dadá, não passe a vergonha de fazer alguns tours do Pablo Escobar que te leva a uma das casas para brincar de paintball e conhecer um dos seus capangas. Muita gente faz, mas eu acho uma tremenda falta de respeito. Procure guias que tratem do assunto de forma consciente e política.

Para quem eu recomendo uma viagem à Colômbia

Por ser um país muito diverso, a Colômbia atrai vários tipos de turismo. É possível fazer desde uma viagem de luxo pela Costa do Caribe e San Andres, ficando em resorts, até a mais econômica possível, já que a estrutura para mochileiros é excelente. Mas não posso negar que o destaque da Colômbia é pra quem curte natureza, com muitos lugares que são verdadeiros paraísos naturais. Política e história também estão muito presentes nos centros urbanos em Medellín e Bogotá, com passeios e museus que contam sobre o contexto político do passado e presente no país.

Quanto tempo ficar na Colômbia

A Colômbia é um destino que não tem tempo certo pra ficar, porque tem muita coisa (mesmo) pra ver. Se você tem uma semana de férias e pode ir só pra Cartagena e Costa do Caribe, vale a pena. Se você tem um mês (ou mais) e quer conhecer o país mais a fundo, não vão faltar programações. Eu mesma fiquei um mês e deixei de visitar vários lugares por falta de tempo. Por isso, minha dica é: veja sua disponibilidade de dias e dinheiro e, a partir disso, escolha os destinos que têm mais a ver com seu estilo de viagem.

Quais cidades visitar na Colômbia

Como eu falei aqui nesta outra matéria, minha escolha de destinos na Colômbia em um mês foi Cartagena, Santa Marta (Minca e Tayrona), Medellín, Guatapé, Salento e Bogotá. Dá pra fazer mais coisa em 30 dias? Claro, tudo depende do seu ritmo de viagem. Aqui no blog a gente é muito mais slow, priorizando ficar mais nos lugares e senti-los, em vez de só visitar as atrações turísticas.

Mas quais cidades visitar é uma pergunta difícil de responder, porque a Colômbia tem destinos para todos os gostos. Eu separaria a viagem em regiões e combinaria cada uma delas de acordo com sua disponibilidade de tempo:

Costa do Caribe: charme em Cartagena, praias maravilhosas em Isla Grande, San Andrés e Providencia, imersão à natureza na região de Santa Marta, Minca (café também), Parque Nacional Tayrona, trekking na Ciudad Perdida e outras regiões de povos indígenas, aventura no Deserto de La Guajira. Retiros de yoga e programações naturebas em Palomino. Praias menos exploradas e mais roots em Capurganá e Sapzurro, na fronteira com o Panamá.

⭐ Saiba mais: Guia de Cartagena: nossas dicas para conhecer a cidade da Colômbia

Antíquoa e Zona Cafeeira: Medellín é uma das cidades mais legais que eu já conheci nas minhas andanças pelo mundo, um centro urbano contraditório, com muita inovação e, ao mesmo tempo, desigualdade social. Guatapé é bom para paisagens e um centro histórico fofo, Jardín para um das cidades mais lindas da Colômbia. Os apaixonados por café (e construções de bambu) não podem perder a Zona Cafeeira, em cidades como Salento, Filandia e Armênia.

Sul e Amazônia colombiana: Letícia é a porta de entrada para a Amazônia colombiana, que eu não fui porque já conheço bem a brasileira. O resto do sul não é muito explorado por, ainda ser, um lugar de conflito de guerrilhas e narcotráfico. Cali é o destino para quem quer fazer um intensivão de salsa.

Bogotá e região: Bogotá é um grande centro urbano, capital do país com museus interessantes e tours políticos. Ali “perto” fica o Cañion Cristales, uma das paisagens naturais mais incríveis da Colômbia, mas um grande perrengue pra chegar. A região de Bocayá e Santander é conhecida pra quem gosta de esportes radicais.

Costa do Pacífico: ainda pouco explorada e difícil de viajar, mas com paisagens lindas que misturam selva e mar. Veja a Bahía Solano, El Valle e Buonaventura.

Quando ir a Colômbia

A única época não recomendável para visitar a Colômbia é entre agosto e início de novembro, porque chove muito em todo o país. Eu fui no meio de novembro e peguei dias ótimos, com algumas pancadas de chuva, mas nada que atrapalhasse. Lembrando que nos meses de férias escolares, entre junho-julho e dezembro-janeiro a Costa do Caribe fica muito lotada, porque, além de turistas há muitos colombianos viajando.

Como se locomover na Colômbia: ônibus x avião x carro x biketrip

É relativamente fácil se locomover na Colômbia. O país não é muito grande e há muita oferta de voos internos baratos e ônibus. É claro que estamos na América Latina, então se você optar pela via terrestre vai passar por algumas emoções com motoristas dirigindo loucamente e estradas estreitas. Porém, essa foi minha opção para praticamente todos os destinos, menos de Cartagena para Medellín, que eu peguei um voo (mas daria tranquilamente pra ir de ônibus).

Avião

Pra ter ideia, os voos internos para quase todas as cidades custam entre R$100 a R$200 em companhias low-coast (mesmo para San Andrés é esse preço). Algumas das principais companhias são Viva Colombia/Viva Air, Avianca e EasyFly. Lembre-se que essas companhias low-cost adoram extorquir viajantes desavisados. Eu, por exemplo, comprei uma mala e tive que pagar mais R$90 porque selecionei mala despachada e não mala para levar à bordo (nem sabia que existia essa diferença). O check-in já estava fechado e tive que levar essa facada, um estresse.

Outro ponto importante é que em grandes cidades, como Medellín e Bogotá, o aeroporto é longe do centro turístico – coloque o valor do táxi na conta. Em lugares menores, como Cartagena, é bem pertinho.

Ônibus

Os ônibus vão te custar entre R$15-R$30 para distâncias menores e R$40 a R$80 para maiores, dependendo se você vai de primeira ou segunda classe. A primeira classe é excelente pra quem quer economizar uma noite de hostel e conseguir descansar em trechos mais longos, como entre Medellín e Salento, por exemplo. No final das contas acho que viajar de ônibus é a opção com melhor custo x benefício. As principais empresas são Bolivariano, Berlinas del FonceCopetran.

Carro

Fazer uma viagem de carro pela Colômbia pode ser uma boa opção se você for bem experiente no volante, porque o trânsito por lá é uma verdadeira loucura. É bom sempre se informar sobre a segurança as estradas, principalmente no Sul do país, onde o narcotráfico e guerrilha ainda são muito presentes. Se quiser ter uma viagem mais relax, opte por voos ou ônibus.

Biketrip

Para minha agradável surpresa, a Colômbia é um país super bikefriendly, muita gente usa as bicis como principal meio de transporte, mesmo com a elevada altitude em algumas cidades. Apesar de eu ter pedalado bastante em todos os destinos que visitei, esta não foi uma biketrip, mas nosso amigo, o Pedro do Bike Myself, fez um roteiro incrível por lá só no pedal. Veja a série dele no Youtube!

💡 A Ursa fez uma cicloviagem incrível em parceria com o BikeMyself pelo México e Belize, veja mais aqui: 
Biketrip: mas afinal, como é viajar de bicicleta?
Cicloviagem e Couchsurfing: Visitando o Cactuário de Zapotitlán Salinas, em Puebla, México

Jeeps coloridos que são usados pra se locomover em Salento

A Colômbia é um país seguro de viajar?

Segurança na América Latina… aquela velha questão. Óbvio que estamos falando de um país que já passou e ainda passa por muita coisa, tem uma forte desigualdade social, corrupção – tipo o Brasil. Mas eu confesso que não me senti em risco em nenhum momento por lá.

Como eu moro no Rio de Janeiro desde sempre e viajo muito, acho que estou calejada em relação à segurança acredito que, em países que não estão em situações críticas (guerras, golpes de estado, etc), é uma questão subjetiva. Por isso posso dizer: eu sou mulher, viajei sozinha pela Colômbia e não tive nenhum problema.

É claro que eu tomei todas as precauções, não dei mole, não falava que estava sozinha… aquela velha história. Só que, no geral, não achei um país perigoso, de verdade. Alguns amigos (principalmente europeus, que não estão acostumados com essa malandragem latina), foram assaltados em Cali e Bogotá, que são cidades com índice de violência mais alto, ou levaram golpes em Cartagena (inclusive um, por uma gangue de travestis), mas se você tiver bom senso e atenção dificilmente vai passar por algum perrengue.

⭐ Sem contar que nós somos grandes incentivadoras de mulheres que se jogam sem medo nesse mundão. Veja todas as matérias da nossa categoria “Fui Sozinha”.

roteiro-um-mes-colombia

Livre, leve, solta. Bora se jogar nesse mundão mulherada!

Chip de internet na Colômbia

Há três opções para você ter internet na Colômbia:

Chip da Easy Sim 4 U

Sair daqui com o chip da EasySim 4 U, que tem 4G ilimitado é realmente uma praticidade. A vantagem é que a internet deles é muito boa e você já sai daqui conectado.  Se você comprar pelo nosso link ajuda a manter o blog <3

Pacote com sua operadora de celular

Fazer um pacote com sua operadora de celular é bem prático, mas sem dúvidas é uma opção cara. Cada empresa tem uma política, entre em contato para entender os planos internacionais.

Chip pré-pago

Comprar um chip lá é bem fácil e barato (o que eu fiz, porque não fiz questão de já chegar conectada). Eu comprei o cartão SIM por 5 mil pesos e fiz recargas de 1 semana de duração por 10 mil pesos cada uma, com 1G de internet e chamadas (que eu não usei). Sem dúvidas foi a forma mais barata de ter internet. Você encontra esses cartões em vários lugares, principalmente bancas ou casas de câmbio e as principais empresas são Tigo (costuma ser mais barato), Claro e Movistar. Se quiserem cobrar um valor muito acima disso, desconfie, porque estão te querendo passar a perna! Uma vez eu perguntei e a pessoa queria me vender  o mesmo chip por 100 mil pesos, como se eu fosse boba, coitado.

Outras informações importantes

Idioma | espanhol. Poucas pessoas falam inglês, mas é muito fácil de entender o espanhol colombiano, que é bem articulado e mais lento do que em outros países.
Moeda | peso colombiano, que tem a sigla COP.
Visto | brasileiros não precisam de visto com até 180 dias de permanência.
Documentos | brasileiros não precisam entrar no país com passaporte, basta a carteira de identidade.
Vacinas | é obrigatório ter o certificado internacional de vacinação com a de Febre Amarela. Não esqueça!
Embaixada do Brasil | fica em Bogotá . Tel: +57 1 2180800. Site oficial.
Fuso horário | duas horas a menos que no Brasil.
Seguro viagem | Não é obrigatório para entrar na Colômbia, mas é sempre recomendado. Nós somos parceiras do Seguros Promo e, fechando pelo nosso link você ajuda a manter o blog e ainda tem 5% de desconto pelo cupom “GIRAMUNDO5”.

Barbeiro no Mercado Popular Bazurto, em Cartagena

Qual moeda levar para a Colômbia e como usar seu dinheiro

A moeda na Colômbia é o peso colombiano (COP) e, quando eu fui, em dezembro de 2018, os valores estavam praticamente equivalentes ao real. É só tirar os vários zeros e pensar que o real é um pouquinho mais valorizado. Por exemplo: 1000 pesos colombianos equivalem a R$1,22 (consultado 16/03/2018).

Mas afinal, qual moeda levar? Real, peso ou dólares? Vale a pena passar compras no cartão e sacar dinheiro no caixa eletrônico?

É um pouco louco pensar que dentro da América do Sul é mais vantajoso trocar nosso dinheiro por dólares e lá trocar os dólares pela moeda local, mas é assim que funciona por lá. Compre um pouco de pesos colombianos no Brasil pra não chegar com as mãos abanando e poder pagar um táxi sem ter que fazer câmbio no aeroporto, que sempre é muito mais caro.

Como minhas viagens são econômicas, eu levo a maior parte em dinheiro e uso pouco cartão/saques. Mas eu uso essas duas últimas opções para ficar menos arriscado e não andar com tanto dinheiro, principalmente se viagem for longa. Lembrando que o cartão de crédito sempre tem taxa de IOF em cima de todas as compras (que costuma ser 6,38% do valor total) e fique atento que cidades pequenas não costumam aceitar cartão. E os saques cobram uma taxa, que varia de acordo com seu banco, vale a pena se informar.

É confuso, eu sei. Para esclarecer tintin por tintin, veja essa matéria do Ricardo Freire, do Viagem na Viagem.

Ruas de Getsemani, em Cartagena

Quanto custa uma viagem a Colômbia

Claro que é uma questão relativa, que varia com seu estilo de viagem. Sou uma viajante econômica, mas sem passar perrengue. Por isso, fico em quartos compartilhados de hostels confortáveis e com uma ambiente legal, não me importo de gastar um pouquinho mais para comer direito ou provar alguma coisa especial e me preocupo com guias e tours responsáveis. Por isso, minha base não é “como gastar o mínimo possível na Colômbia”, e sim “como fazer um mochilão, gastar pouco e curtir ao máximo da Colômbia, sem perrengue”.

Veja meus gastos de um mês de viagem:

Transporte

Passagem de avião Rio – Cartagena / Bogotá – Rio: R$1804, pela Copa Airlines
Passagem de avião Cartagena – Medellín: R$183 + R$90 da mala, pela Viva Colômbia
Van de Cartagena a Santa Marta (ida e volta): R$100
Barco para a Isla Grande (ida e volta): R$70
Passagem de ônibus Medellín a Gautapé (ida e volta): R$30
Passagem de ônibus Medellín a Salento: R$50
Passagem de ônibus Salento a Bogotá: R$75
Táxis/Uber/transporte público: R$260
TOTAL: 858 + 1804 da passagem aérea

Hospedagem

Selina, em Cartagena: R$700 , para 6 diárias em quarto duplo privativo com banheiro compartilhado (valor para uma pessoa).
Magic Paradise Hostels, na Isla Grande: R$122 para 2 diárias em quarto duplo privativo com banheiro compartilhado (valor para uma pessoa).
Hostel Calle 11, em Santa Marta: R$200 para 3 diárias em quarto duplo privativo com banheiro compartilhado (valor para uma pessoa).
Selina, em Medellín: R$192 para 6 diárias em cama em compartilhado misto de 10 camas.
Galeria, em Guatapé: R$40 para 2 diárias em quarto compartilhado misto de 5 camas.
Coffee Tree House, em Salento: R$100 para 2 diárias em quarto compartilhado misto de 6 camas.
Selina La Candelária, em Bogotá: R$75 para 3 para x diárias em quarto compartilhado misto de 10 camas.

TOTAL: R$1429 (eu fiquei em quartos privativos com a minha prima no início da viagem, mas se eu tivesse ficado só em quartos compartilhados tinha economizado cerca de R$700).

Observações:
– A diária em quartos compartilhados na Colômbia custam entre R$20-50.
– Se você reservar pelo Booking (use nosso link pra ajudar a manter o blog!), é possível pagar o valor total do hostel/hotel na hora. Nessa caso, dê preferência para o pagamento em dinheiro, porque pelo cartão sempre vai encarecer o preço do diária por conta do IOF.
– Recomendo todos esses hostels que eu fiquei, são excelentes.

Alimentação

Cartagena: R$700 para 7 dias, com uma medía de R$30-60 por refeição, sendo R$10 por lanches/cafés.
Isla Grande: R$251 para 3 dias, sendo que eu comprei coisa pra cozinhar no mercado e gastei só dinheiro para o almoço. Pratos por cerca de R$40.
Santa Marta: R$194 para 4 dias, sendo R$25-40 por refeição.
Medellín: R$600 para 7 dias, sendo R$20-50 por refeição.
Salento: R$130, média de R$10 a 30 por refeição.
Bogotá: R$300, média de R$20 a 40 por refeição.
TOTAL: R$2175

Observações:
– os valores estão incluindo refeições, bebidas alcoólicas, lanches, cafés.
– leve em conta que eu costumo fazer sempre três refeições: café da manhã (só em Guatapé e Salento estava incluído no valor do hostel), almoço e jantar. Algumas vezes comia só um lanchinho, mas na maioria das vezes era completo. Eu não me importo de economizar em algumas coisas pra gastar mais dinheiro em comida.

Passeios

Cartagena: R$220 (Playa Blanca e Bazurto).
Isla Grande: R$30 (snorkel)
Santa Marta: R$155 (Tayrona e Minca)
Medellín: R$160 (tour de bike, tour Comuna 13, museus)
Salento: R$200 (Vale do Cocora, Mountain Bike, tour fazendas de café)
Bogotá: R$40 (bike tour)
TOTAL: R$805

Total de gastos para um mês na Colômbia: R$5191 + R$1804 da passagem aérea

Dá pra baratear:
se você não for uma pessoa gulosa como eu;
se você consumir menos bebidas alcoólicas;
se você fizer todo transporte de ônibus, principalmente noturno para economizar uma noite de hostel;
se você ficar só em quartos compartilhados ou Couchsurfing.

Mango piche, o meu lanche de quase todo dia: manga, sal, pimenta e limão. 2mil pesos, baratin

Nossas matérias sobre a Colômbia

(em breve matérias de todos os destinos, tô fazendo aos pouquinhos)

Informações gerais
⭐  Fui Sozinha: roteiro de um mês na Colômbia

Bogotá
⭐  Fui Sozinha: 72 horas em Bogotá

Cartagena

⭐  Guia de Cartagena: nossas dicas para conhecer a cidade da Colômbia
⭐ Despertando os sentidos no Mercado Popular Bazurto, em Cartagena
⭐  Comer bem e barato em Cartagena
⭐  O que fazer em Cartagena das Índias, na Colômbia

Medellín (em breve)

Salento (em breve)

Santa Marta (em breve)

Posts relacionados

2 Comentários

Rafael R. Nunes 13/07/2019 - 23:30

Gabriela Mendes suas dicas valem ouro. Obrigado por compartilhar.

Reply
Gabriela Mendes 18/07/2019 - 17:37

Fico feliz que você tenha gostado, Rafael 🙂

Reply

Deixar um comentário

EnglishFrenchPortugueseSpanish