Guia de Madrid: dicas e informações para conhecer a capital da Espanha

Uma das primeiras frases que ouvi sobre Madrid foi do motorista de táxi que me buscou no aeroporto, ele dizia que na cidade “hay mucho ambiente”. Não há definição melhor para a capital da Espanha e, assim que saí na rua, descobri o porquê: é uma cidade vibrante, animada, cheia de movimento, e sim, com “mucho ambiente”.

Madrid acorda tarde. Antes das 10h não há muito gente da rua, as lojas estão fechadas e tudo fica muito calmo. Aos poucos as janelas vão abrindo, as esquinas ficam com cheiro de café e as calçadas com barulho dos passos apressados.

_DSC0062-2
Muitas janelas de Madrid tem a bandeira da Espanha pendurada

É uma delícia andar nas suas ruas e não faltam opções de teatros, cinemas, espetáculos, prédios históricos e espaços de culturais. Quanto aos museus, nem precisa falar muito quando se tem o Prado e o Reina Sofia na mesma cidade. Petiscar também é uma arte, já que os madrilenhos são especialistas quando o assunto é tapas.

Apesar de ser uma cidade grande, Madrid é autêntica e tem características espanholas muito presentes, e só sair um pouquinho do circuito turístico para percebê-las. E o melhor, não um lugar caro, dá para fazer muito com pouco. Se você gosta de arte, cultura e muita animação, Madrid é o destino certo para sua viagem.

IMG_0795.jpg
Flores no bairro de Lavapiés

Saiba o que fazer, onde comer, quando ir, quanto tempo ficar, onde se hospedar e todas as informações para seu roteiro:

Um pouco de história

Há registros de ocupações em Madrid desde o Império Romano, mas foi só na metade do século IX, durante a Era Muçulmana, que ela deixou de ser uma área rural para começar a se tornar uma cidade. O emir (comandante árabe) Maomé I de Córdova mandou construir uma muralha para proteger Mayrit (como a cidade era chamada) dos cristãos. A cidade foi se desenvolvendo, foi tomada pelos critãos no século XI e em 1561 ocorre um acontecimento crucial para a história da cidade: o Filipe IV transfere a corte e torna Madrid a capital da Espanha.

Devido às guerras, ocupações e reformas ao longo dos séculos, muitas construções históricas de Madrid foram destruídas, mas é possível observar muitos prédios característicos no centrinho.

Quem fica só no centro histórico pensa que Madrid é pequena, porque tudo é próximo, mas sua área metropolitana tem mais de seis milhões de habitantes e a cidade é uma das mais importantes da Europa.

O que fazer

É claro que temos um post só de atrações em Madrid, mas fiz resumo para dar um gostinho.

As atrações mais conhecidas são: passear no Parque del Retiro, que é bem bonito mesmo, com muitas paisagens verdes. Não deixe de conhecer o Palácio de Cristal, que fica lá dentro.

_DSC0435
Dentro do Palácio de Cristal, no Parque do Retiro

Mesmo se você não for fazer compras, vai acabar caminhando na avenida mais famosa da cidade, a Gran Via, que fica lotada à noite e tem vários restaurantes, lojas e hotéis.

Conhecer a Plaza Mayor é praticamente obrigatório, mas deixe para comer em outro lugar. O Templo de Debod é lindo, principalmente no pôr-do-sol.

Como Madrid era cercada por muralhas, há várias “portas” pela cidade, a mais famosa é a Puerta de Alcalá. Visite o Palácio Real, a Catedral, a Puerta del Sol, admire a Fonte e Palácio de Cibeles.

_DSC0193
Catedral da Madrid: a igreja mais colorida que eu já vi

Quando se trata de arte, o Museu del Prado e Reina Sofía não podem ficar de fora, são realmente maravilhosos! O Thyssen-Bornemisza e Museu de Belas Artes também merecem a visita. Saindo do basicão, eu amei alguns espaços culturais como o Matadero, La Tabacalera e Casa Encendida.

⭐ Mais informações: Saiba o que fazer em Madrid e planeje seu roteiro de 1 a 5 dias

IMG_0454
Guernica de Picasso no Museu Reina Sofia

Onde comer

Comer também é uma das principais atrações e eu amei descobrir os mercados gastronômicos da cidade. O mais famoso é o Mercado San Miguel, mas não deixe de conferir também o San Antón, San Ildefonso e San Fernando.

Você encontra um bar de tapas (ou mais de um) a cada esquina, de verdade! Mas, como toda grande cidade, Madrid tem restaurantes com gastronomia do mundo todo.

⭐ Eu contei quais foram os lugares que eu mais gostei e algumas dicas para economizar neste post: Comer bem e barato em Madrid

_DSC0006
Mercado de San Miguel, o mais visitado na cidade

Como chegar

Do Aeroporto Madrid-Barajas

O aeroporto internacional não fica muito distante do centro da cidade, a 12km. Opções de transporte não faltam.

Táxi/Uber/Cabify: como eu cheguei bem tarde, optei por pedir um Cabify que custou 30 €. O preço do táxi normal é tabelado e também regula com esse valor. A viagem demora cerca de 20 minutos.

Metrô: a estação de metrô fica dentro do aeroporto nos terminais T2 e T4, é super fácil de usar e demora uns 40 minutos. O único ponto negativo é quando se está com muita bagagem, porque provavelmente você terá que fazer baldeações até chegar ao centro. A passagem custa entre 1,50 € a 2 €, porém, saindo do aeroporto ainda há uma taxa de 3 € e você tem que comprar o cartão, que custa 2€. Ou seja, o valor total da passagem vai sair em torno de 7 €.

Ônibus: também tem a opção de pegar um ônibus expresso, que funciona 24h todos os dias e faz o trajeto em 40 minutos. O Exprés Aeropuerto custa 5 (pago diretamente no embarque) e tem paradas na estação de trem Atocha, Praça Cibeles e estação de metrô O´Donnell. No aeroporto ele sai nos terminais T1, T2 e T4.

IMG_0887
Achei o Aeroporto de Barajas lindo, cheio de janelas, luz do sol e design de ponta

Da estação de trem Atocha

A estação fica super bem localizada, dentro do centro de Madrid e do lado do Parque del Retiro. Ela também está conectada com o metrô, então não há muito mistério para chegar ao seu hotel. Dê uma voltinha na estação, ela é linda!

De carro: dica importantíssima!

Muita gente viaja de carro pela Espanha, principalmente porque o país não tem tanta malha ferroviária como outros lugares da Europa. Mas preste muita atenção: no centro histórico de Madrid, que é onde a maioria das pessoas se hospeda, não é possível circular com veículos, somente se o seu destino final for um estacionamento.

Eu levei um baita susto, porque não tinha lido sobre isso em nenhum lugar. Funciona assim: o centro da cidade tem várias ruas com câmeras, que fotografam a placa dos carros. Quem mora por lá pode circular normalmente, mas com carros alugados, você só não será multado se entrar no centro e ir diretamente a um estacionamento público. Se você apenas circular pelo centro, se prepare para receber a dolorosa de 40 €.

_DSC0647
Nosso carrinho que nós usamos somente para os bate-voltas

Outra dica importante é que em Madrid não dá para deixar o carro parado na rua e os estacionamentos são ligados ao controle de fiscalização da cidade (em muitos deles você dá a sua placa, para que eles informam à fiscalização). Em lugares com muito movimento, como a Plaza de España, há estacionamentos grandes, mas como eu fiquei em uma rua mais residencial, tive que reservar minha vaga. Na dúvida, reserve com antecedência para evitar dor de cabeça.

Como se locomover

A pé

Eu amo quando minhas pernas são o principal meio de transporte e em Madrid é bem assim. Apesar de ser a capital da Espanha, as atrações ficam próximas umas das outras. Prepare os sapatos confortáveis!

_DSC0075
Plaza de España com céu azul de manhã cedinho

Bicicleta

Cidades europeias costumam ser bem bike-friendly, mas em Madrid demorou um pouco até que as magrelas fossem incorporadas.

Antes de mais nada, é preciso  falar que, para que as bicicletas fossem aceitas e respeitadas no trânsito, os madrilenhos criaram a manifestação Ciclonudista: centenas de ciclistas pedalam nus pela cidade para chamar atenção à violência no trânsito. Já foram mais de 13 edições que surtiram efeito: agora é mais seguro andar de bike em Madrid.

Além disso, em 2014 a cidade ganhou as bikes públicas, as BiciMad. Há várias estações e elas são todas elétricas para ajudar no sobe e desce das ladeiras. Elas têm o funcionamento parecido com outras bicicletas públicas no mundo: são gratuitas, mas depois de 1 hora excedente custa 2 €. Se você exceder o período de 2 horas, é cobrada uma multa de 4 €, mas se tirar uma magrela de uma estação muito cheia ou devolver em uma vazia, ganha um bônus de 0,10 €.

💡 A BiciMad é uma boa opção só para fazer deslocamentos, como meio de transporte mesmo. Se você quiser passear de bike, alugue em lojas especializadas como: Rent & Roll ou 27 Bikes.

fruteria
Bike no bairro de Malasaña

Metrô

As linhas de metrô são excelentes e abrangem uma boa parte da cidade. A tarifa é calculada de acordo com a quantidade de estações a serem percorridas. Na hora de comprar é preciso primeiro adquirir o cartão que custa 2 € (não há mais passagens unitárias de papel) e carregá-lo. Você pode adicionar um valor ou selecionar a estação final para calcular o preço da passagem (normalmente custa entre 1,50 € e 2 €).

Eu só usei o metrô para ir a lugares mais distantes, como o Matadero.

Ônibus

As estações também são bem fáceis de achar e cada passagem custa 1,50 €, mas pode não ser muito prático por conta do trânsito (não se esqueça que você está em uma capital engarrafada). Acho uma boa opção se você quiser pegar transporte público de madrugada quando o metrô está fechado  ou fora da hora de rush.

Carro

Pelos motivos que eu citei acima em “como chegar em Madrid”, já deu para esclarecer que esta não é uma cidade para ser vista de carro, a menos que você queira uma coleção de multas no final da viagem!

Eu só aluguei para fazer bate-voltas em Toledo, Ávila e Segóvia, jamais para circular no centro. Porém, mesmo assim alugar carro não é necesário, já que é se possível chegar facilmente nas principais cidades de bate-volta de trem ou ônibus. 

Quando ir

A melhor época para conhecer Madrid é no outono (outubro a final de novembro) e na primavera (março a junho). Eu fui em novembro e peguei um frio bem gostoso, com temperaturas entre 7º a 15º.

_DSC0111
Eu sou apaixonada por essa paisagem de outono com folhas amarelas. A foto foi tirada nos Jardins Sabatini

A cidade é conhecida por ter estações extremas: o inverno e o inferno.  Realmente fica muito quente durante o verão e, por ser uma cidade bem urbana, o calor é de matar. Deixe os meses de alto verão (julho a início de setembro) para conhecer as praias espanholas.

Já no inverno  (dezembro a fevereiro) faz bastante frio se você for comparar às outras cidades da Espanha, mas nada tão congelante. As temperaturas podem chegar a menos de 5º, mas é difícil nevar.

Quanto tempo ficar

É possível conhecer Madrid em dois dias, mas o ideal é ter três dias inteiros, principalmente se você quiser ir aos museus ou fazer um bate-volta a Toledo.

Eu fiquei seis dias cheios e não faltou programação em todos eles. Tem muita coisa legal pra conhecer!

_DSC0332
Grafites em Malasaña

Onde se hospedar

Não tem erro: a região que fica mais próxima de todas as atrações turísticas e tem mais hotéis é nas imediações da Puerta del Sol, Gran Vía e Plaza Mayor. É a melhor opção pra quem tem pouco tempo e quer fazer todas as programações a pé. Eu me hospedei por lá em um Airbnb muito lindinho e que tinha uma localização excelente, bem próximo a tudo. Nós pagamos R$ 217 a diária para duas pessoas. Veja o link aqui.

_DSC0001-2
Nosso apartamento tinha até essa varandinha fofa

Porém, quando eu  voltar a Madrid quero me hospedar em Chueca ou Malasaña, que são bairros que ficam um pouco mais ao norte de El Sol, mas continuam bem localizados. Eles são bem alternativos, têm vários restaurantes, bares e lojas legais. Por mais que sejam bairros turísticos, saem da muvuca de El Sol, são bem mais autênticos e um charme!

Outro bairro mais alternativo é Lavapiés, que é bem legal, mas não é tão bonitinho quanto Chueca e Malasaña. Se hospedar por lá é uma boa escolha pra quem procura um local mais barato e residencial.

Salamanca é um bairro mais chique, com casarões e lojas de grife. Já as imediações do Parque del Retiro também são mais residenciais e não tão próximas aos principais pontos turísticos. É por lá que fica o charmoso Barrio de las Letras, com nomes de ruas em homenagem à literatura.

_DSC0071
Em Lavapiés não tem cerimônia: o varal é na janela

Nossa seleção de hotéis

Mochileiros e low-coast

Conforto

Luxo

💡Se você ainda não for inscrito no Airbnb, clique aqui para ganhar R$130 de crédito na sua primeira viagem.

Inspirações

Antes de viajar, eu comecei a seguir as contas de Instagram do @madriddiferente, @planmadrid e @timeoutmadrid, que dão dicas bem locais da cidade!

_DSC0281
Templo de Debod no pôr do sol

DICAS PARA PLANEJAR SUA VIAGEM (4)

ROTEIRO PERSONALIZADO – nós planejamos toda sua viagem e entregamos um roteiro detalhado com sugestão de passeios dia a dia, dicas de restaurantes, locomoção e melhores atrações. Também fazemos assessoria de passagens aéreas, hotéis e tudo que você precisar. Perfeito pra quem ama viajar, mas não gosta ou não tem tempo de se programar.

HOSPEDAGEM reserve seu hotel com o nosso link do Booking e ajude a manter o blog no ar! Não tem nenhuma alteração de preço pra você, mas nós ganhamos uma pequena comissão.

ALUGUEL DE CARRO nosso parceiro de reservas é o RentCars, que faz busca das melhores tarifas com as principais locadoras.

5 comentários Adicione o seu

  1. Glauma disse:

    Tinha muita curiosidade de saber como está Madrid, nos dias de hoje. Como fui há muito tempo já não lembro de muita coisa, os preços e moeda mudaram! As dicas, os comentários ajudam muito a qualquer um que queira retornar ou conhecer este lindo país!!!

    Curtido por 1 pessoa

    1. Gabriela Mendes disse:

      💛 obrigada!! Madrid tá uma cidade bem interessante, cheia de vida. Eu adorei!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s