Home Giro no Brasil Rio de janeiro sem clichê: explorando do Pontal a Guaratiba

Rio de janeiro sem clichê: explorando do Pontal a Guaratiba

por Ursulla Lodi
Rio de janeiro sem clichê: explorando do Pontal a Guaratiba

O Rio de Janeiro tem muito mais a oferecer do que os guias tradicionais recomendam: do Leme ao Pontal – e algumas praias depois dele – não faltam maravilhas. Um fim de semana desses eu e a Bibi resolvemos explorar à fundo a Região do Pontal e Guaratiba e pagamos de turista dentro da nossa cidade. Num improviso rolou trilha, praia, passeio cultural e a melhor moqueca do Rio, com direito a um pôr do sol inesquecível de frente para Restinga da Marambaia e isso é apenas um resumo de possibilidades do que fazer nas redondezas.

13

Preparamos um roteiro bem legal para cariocas e não cariocas saírem do clichê na Zona Oeste do Rio. 

Nosso rolê

Saímos bem cedinho de casa sem nada muito planejado. Sabíamos que tinha muita coisa legal para fazer e decidimos chegar lá e improvisar, curtindo o nosso dia. E foi assim que nos demos conta que nenhuma das duas tinha subido o Pontal, onde começamos o sábado com este visual.

4

Subida do Pontal

Paramos o carro no posto 12 do Recreio e subimos o famoso Pontal, um belo pedregulho que divide as praias do Recreio e da Macumba. A trilha é super tranquila, tendo apenas um único trecho de corda, em que só sobe e desce um de cada vez. Se não tiver fila nesta parte, você chega ao topo da pedra em 15 minutos e pode ficar muito mais tempo contemplando a bela vista do Maciço da Pedra Branca e da orla.

 

Fica a dica caso queira fazer aulas de surfe que no posto 12 existem várias escolinhas que oferecem classes para crianças adultas e não adultas. Por ali também existe uma peixaria ótima, a Empório do Peixe, se quiser comprar um peixinho para levar para casa.

Pedra do Pontal

A Pedra do Pontal vista da Praia do Recreio

Praia da Macumba

Continuamos o rolé tomando um açaí com granola (R$12) na Praia da Macumba no Quiosque do Rubinho, na 5W, que é o point da velha guarda do surfe carioca. Outro quiosque bem famoso, logo ao lado, é o do Rico. A menos que o mar esteja bem manso, tome cuidado para mergulhar aqui, pois na Macumba não existe rasinho!

9

Por aqui também tem algumas opções baratas para comer um PF caprichado, como o Quintal o Encontro (pratos a partir de R$25) ou para pegar leve no Natural do Recreio  (quilo natureba em que o prato dificilmente passa de R$20) além de hospedagens como Pontal Hostel (diárias a partir de R$50) e outras pousadinhas domiciliares, caso você queira pernoitar.

Museu Casa do Pontal

Enquanto o sol não firmava, fomos conhecer o Museu Casa do Pontal, que é considerado o maior e mais significativo museu de arte popular do Brasil. A exposição permanente foi o resultado de 40 anos de viagens do pintor francês Jacques Van de Beuque, que reuniu na casa mais de oito mil obras. A maior parte do acervo é composto por bonecos que retratam a vida cotidiana, desde profissões, até religiões e entretenimento – é uma verdadeira viagem pela nossa cultura popular, por todas as regiões do Brasil, seus costumes e crenças, pela ótica de mais de 200 artistas.

_DSC0420

Iemanjá

O museu é realmente fantástico, um lugar que deveria ser muito mais visitado e reconhecido no Rio. Porém, não é bem assim que acontece. Ele está localizado em um espaço lindo, uma casa de 5mil m² rodeada de verde, porém, terá que ser transferido para a Barra. Devido às obras nos arredores e a construção de prédios, a biodiversidade local está cada vez mais desequilibrada e o museu virou um ponto de escoamento das águas da chuva. Como muitas peças do museu são feitas de barro, elas correm risco de serem danificadas com a umidade. Mas corre que o projeto da nova sede ainda vai demorar dois anos pra ficar pronto e até lá a casa original está de portas abertas.  🙂

6

Quem estiver com um grupo grande pode ter uma experiência ainda mais especial solicitando um grupo de educadores, que acompanham a visita tocando músicas populares e contando histórias. Esse tipo de visita pode ser feito com até 20 pessoas e custa R$120 para o grupo, fora o ingresso individual.

 

O ingresso do museu custa R$12 e o horário de funcionamento é de terça a domingo e feriados, de 9h30 às 17h. Veja mais informações no site oficial.

Praia de Grumari

O tempo abriu e o sol nos levou até a Praia de Grumari, outro ponto muito procurado por surfistas na cidade. Todo o caminho beira o mar e, para chegar à Grumari, passamos pelo Secreto, Prainha e Abricó, em ladeiras que são verdadeiros cartões postais de nossa cidade.

_DSC0435

Casinha de salva-vidas na praia de Grumari

A praia estava deserta, uma delícia. Assim como na Macumba, tome cuidado com o mar, que costuma sempre estar agitado. Vale lembrar que a praia possui poucos quiosques e, como nós fomos no inverno, muitos deles estavam fechados. O mais movimentado fica na ponta direita da praia. Portanto, não esqueça de levar água.

12

Calmaria em Grumari

Bira de Guaratiba

Terminamos o dia com chave de ouro comendo uma moqueca de camarão (R$110 meia porção que serve 3 pessoas) no Bira de Guaratiba. O prato estava divino e, para completar, o restaurante é construído em um deck com uma vista para um pôr do sol maravilhoso. Vale muito a pena chegar no final da tarde para ver o anoitecer na Restinga de Marambaia. O Bira tem outro pratos que parecem muito bons, todos à base de frutos do mar fresquinhos.

11

Moqueca para 1 que dá para 3, no Bira de Guaratiba 😉

Outros passeios para completar o Rolé

Praia do Secreto

Bem verdade que não é bem um praia, mas sim, um cantinho secreto entre o CCB e a estrada da Prainha, em que formam-se piscinas naturais cristalinas deliciosas para ficar de molho. Vale a pena o confere. Se for verão, no entanto, pode ser que o recanto não esteja tão secreto assim.

Prainha

Talvez a praia mais bonita do Rio, rodeada de muito verde da Reserva Ambiental da Prainha e com águas sempre claras. Lindíssima. Pare por aqui nem que seja para ver o mirante, no Bar e Restaurante Mirante da Prainha, outra ótima opção para o almoço, se você gosta de frutos do mar. Cuidado apenas com o localismo e com as filas do estacionamento, sempre cheio.

10

Abricó

A praia, que fica na estrada entre a Prainha e Grumari, é toda cercada por pedras e, por isso, tem o mar mais calmo. Uma dessas pedras, que fica no canto esquerdo, separa a parte reservada para o nudismo. No trecho pra quem quer ficar de roupa de banho, tem um restaurante bem gostoso que serve frutos do mar fresquinhos, o Bar e Restaurante Cabana da Praia.

SUP no mangue de Guaratiba

O Canal do Mangue é um dos lugares mais lindo para fazer Stand-Up Paddle no Rio, rodeado de natureza. Há dois lugares que alugam pranchas, caiaques e canoas: o Sup Lounge e a Casa do Remo. Ambos oferecem aulas para iniciantes e passeios guiados.

Por do sol no mangue de Guaratiba

Sítio Roberto Burle Marx – IPHAN

A antiga residência de Burle Marx, o paisagista mais famoso do Brasil, foi transformada em um museu e centro de estudos de paisagismo. O lugar é um sítio, rodeado de natureza e, é claro, com os jardins maravilhosos de Burle Marx, misturando tons de verde de uma forma impressionante. Além disso, há o Museu-Casa, onde ficam mais de três mil obras de arte.

O ingresso custa R$10 e o horário de funcionamento é de terça à sábado, de 9h30 às 13h30 (apenas com agendamento). Veja mais informações no site.

Trilhas: Praia do Meio, Praia do Perigoso e Pedra do Telégrafo

Quem gosta de se aventurar um pouco mais, pode fazer trilhas que levam a picos bem bonitos na região.

A Praia do Perigoso tem o acesso no final de Praia de Guaratiba por uma trilha bem fácil, que dura cerca de 40 minutos. O mar é calmo e a praia é rodeada de pedras, com uma paisagem muito linda. Veja todas as dicas nesta matéria.

photo 2 (1)

Praia do Perigoso

Essa mesma trilha leva à Praia do Meio, com uma caminhada de mais 30 minutos. Ela tem um mar mais agitado e, por conta disso, é muito frequentada por surfistas.

No centrinho de Barra de Guaratiba, no início da faixa de areia, fica a entrada para a subida da Pedra do Telégrafo, trilha também tranquila de cerca de 1h e 30 minutos, que ficou famosa pelas fotos que parecem ser tiradas em um abismo, mas é tudo ilusão de ótica.

Mais de Barra de Guaratiba

Guaratiba é um lugar conhecido pela boa gastronomia. Há vários restaurantes que servem frutos de mar frescos. Alguns dos melhores, além do famoso Bira, são o Tia Palmira, o Point de Grumari e o Cantinho Legal da Tia Penha.

Além disso, é lá que fica a charmosa pousada Le Relais de Marambaia. Ela tem um visual lindo para a restinga, sendo uma opção bem romântica de hospedagem pra quem quer se desligar do mundo e curtir um fim de semana completo na região.

_DSC0517

Restinga de Marambaia no pôr-do-sol

Como chegar

Carro

Tendo como ponto de partida a Pedra do Pontal, a estrada segue toda beirando o mar, indo pela Estrada do Pontal e passando pela Macumba e, no canto direito, pela Praia do Secreto. É preciso fazer um pequeno desvio de 3km da rota à beira-mar, mas continuando na mesma estrada, até o Museu Casa do Pontal.

Voltando para a praia, continue por mais 1,2km na Av. Estado da Guanabara até a Prainha. Prepare as fotos, porque a vista é de tirar o fôlego. Aproveite para parar nos mirantes.

Esta mesma avenida leva à Abricó e Grumari. Seguindo a pista, está na hora de subir a Estrada Grumari e, no final, para ir ao Sítio Burle Marx é preciso virar à direita e seguir pela Estrada Burle Marx por mais 5,3km.

Para ir até Guaratiba, tem que fazer o caminho contrário: depois da Estrada Grumari, vira-se à esquerda na Estrada da Barra de Guaratiba. Nesta estrada, se chega aos pontos de SUP e subindo a Estrada da Vendinha, dá no Bira de Guaratiba.

Bicicleta

De bicicleta o caminho é o mesmo do que de carro, alternando trechos de ciclovia e pista. É um rolé lindo, porém só recomendamos pra quem já está acostumado com pedaladas pesadas. Há muitos trechos com subidas, principalmente na Prainha e na Estrada de Grumari. Veja mais dicas desse roteiro de bicicleta aqui.

8

Ciclovia da Macumba

Ônibus e caminhada

Pedra do Pontal: linhas 361, 553, 817A, 954, 2329, 2331
Museu Casa do Pontal: recomendamos andar até o final da Macumba (30min) e pegar a linha 823A até o museu (20min)
Prainha, Abricó e Grumari: não há ônibus. Caminhada de 30min do Secreto até Prainha, depois mais 20min até Abricó e 30min até Grumari.
Barra de Guaratiba e Sítio Burle Marx: linhas 867, 874A e 2382
Lembrando que cada passagem aqui no Rio custa R$3,80.
2
💡 Fique atento: em finais de semana de alta temporada e feriados essa região pode ficar muito cheia e engarrafada.

Post e fotos, com amor pela Ursa e pela Bibi. Acompanhe nosso Instagram: @bloggiramundo

Saiba todas as nossas dicas do Rio clicando aqui.

Posts relacionados

3 Comentários

Roteiros Possíveis 29/07/2017 - 14:58

Não conheço esta parte. Preciso voltar ao Rio.

Reply
Feira de São Cristóvão: um pedacinho de nordeste no Rio – Gira Mundo 27/12/2017 - 19:16

[…] dicas para turistas de primeira viagem Pra quem tem 3 dias: 72 horas no Rio de Janeiro Praias: Rio de janeiro sem clichê: explorando do Pontal a Guaratiba Rolé de bike: Conhecendo o Rio de bike Raízes: Zona Portuária além da Praça Mauá: conheça […]

Reply
Zona Portuária do RJ: Boulevard Olímpico, Pequena África e atrações fora do circuito tradicional – Gira Mundo 28/03/2018 - 12:39

[…] horas no Rio de Janeiro • Rio de janeiro sem clichê: explorando do Pontal a Guaratiba • Zona Portuária além da Praça Mauá: conheça o Circuito da Herança Africana, no […]

Reply

Deixar um comentário

EnglishFrenchPortugueseSpanish