Lago Titicaca no lado peruano: Ilha de Uros, Taquile e Amantani

O Lago Titicaca é o melhor (e talvez o único) motivo para incluir a cidade de Puno no seu roteiro de viagem. Ele ocupa oito mil quilômetros quadrados de área, sendo o maior lago da América do Sul e o mais alto do mundo, a quase quatro mil metros de altitude!

Por estar na fronteira entre o Peru e a Bolívia, pertence aos dois países. No lado peruano, as ilhas mais visitadas são as de Uros e Taquile, mas eu fechei um passeio incluindo a Amantani, que é menos visitada, mas perfeita para ter uma experiência com um povoado bem tradicional. Sem dúvidas, esse é um destino imperdível no seu roteiro para o Peru. Leia sobre as ilhas nesta matéria e entenda o porque. A experiência é muito rica e bem diferente de tudo que eu já presenciei nas minhas viagens, já que cada ilha tem sua particularidade, costumes (que podem ser bem bizarros) e paisagens maravilhosas!

Como ir

DSC_0117

Para conhecer as ilhas do Lago Titicaca, é preciso fechar um tour com uma das agências de Puno. É claro que, dependendo da sua agência, a qualidade do passeio pode variar muito, mas sempre se assegure de que ela paga taxas justas aos moradores da ilha e respeita o turismo tradicional! Uma dica também é dar preferência para agências que vão com menos pessoas e perguntar indicações no seu hotel/albergue.

Normalmente as agências combinam de pegar os turistas de van nos hotéis bem cedinho, seguindo para o porto de Puno para pegar a lancha. No porto tem uma feirinha de artesanato que vale uma olhadinha.

Eu fechei com a All Ways Travel e custou US$35 por pessoa.

Opções de passeios e valores

A maioria das pessoas fecha apenas o passeio de um dia na Ilha de Uros e Taquile, que tem um valor de Sl./50 por pessoa com almoço incluído. Porém, se você tiver mais tempo, vale muito a pena incluir a Ilha Amantani, fazendo o passeio de dois dias. Esta opção custa cerca de Sl./220, com tudo incluído, sendo que Sl./80 são dados diretamente à família que te hospeda em Amantani.

As ilhas

Ilhas flutuantes de Uros

DSC_0111

Depois de uma hora de barco, a primeira parada é na Ilha de Uros, que na verdade não é uma ilha, e sim mais de 80! É claro que você só vai conhecer uma em seu tour, mas as agências fazem rodízios para não deixá-las superlotadas – o que é ótimo!

DSC_0092
Num aguento com tanta fofura!

Essas ilhas são muito interessantes, porque elas são todas feitas de totora, uma planta que nasce no Titicaca. Quando a ilha está seca, fica super resistente e  flutua, sustentada pela estrutura de totora e fio de nílon. Além do “chão” ser feito da planta, as casas, telhados e até barcos são feitos de totora. Impressionante, né? E pode ficar tranquilo, porque não afunda! 🙂

Por essas ilhas serem as mais turísticas da região, são as menos tradicionais. O passeio é muito interessante e imperdível, sem dúvida, mas não se engane achando todas aquelas pessoas ainda moram por lá. Na verdade, restam pouquíssimos habitantes que ainda mantém a tradição, a maioria volta todos os dias para suas casas em terra firme.

DSC_0087
Crianças curiosas olhando para os turistas

Durante o passeio, é explicado como que é feita a estrutura de totora para as construções, nos apresentam a planta e dizem até que ela é comestível, com direito a degustação e tudo! Ô plantinha multiuso! Além disso, explicam sobre os costumes da ilha e, para provar como a totora é resistente, damos uma voltinha em um barco feita do planta.

Ilha Amantani

DSC_0126

Se você incluir essa ilha no seu tour, provavelmente ela será a segunda parada. Para chegar até Amantani, é preciso fazer uma viagem de mais três horas de barco a partir de Uros. Para mim, esta foi a experiência mais autêntica no Lago Titicaca, porque a ilha é a mais preservada das três, sendo muito menos turística.

Nós chegamos no início da tarde e fomos recebidos pelas mulheres da comunidade, todas vestidas com roupas tradicionais. Reparamos que elas usavam xales maravilhosos, pretos com bordados de flores coloridas. O guia nos explicou que eles são feitos pelo homem da casa e dados de presente para suas esposas.

natal2

Cada grupo foi designado a uma família e ficou em uma casa, uma pousada domiciliar. Nós ficamos com a Maruja, que era simpática, mas não falava quase nada de espanhol, só quechua. A estrutura da casa era bem simples, feita de barro, onde ficava a cozinha e eram feitas as refeições. Porém, o quarto designado aos turistas era bem confortável, uma construção de cimento, cama de casal e cobertores quentinhos.

Depois de instalados, era hora de fazer uma caminhada até o ponto mais alto da ilha, com quase quatro mil metros de altitude. Haja fôlego, mas foi inesquecível, uma das paisagens mais lindas que eu já vi. O guia nos explicou que o local é sagrado, tem várias ruínas e é utilizado para rituais xamânicos.

DSC_0159

À noite é oferecida uma festa para os turistas, com música e dança. As refeições são todas feitas nas casas. São bem simples, mas saborosas, tudo feito em fogão a lenha. É interessante notar que a maioria da população da ilha é vegetariana, já que as bases principais são a quinoa e os legumes. Além disso, lá não tem energia elétrica, portanto, não esqueça de levar uma lanterna.

Saiba mais como foi minha experiência na Ilha Amantani nesse post

Ilha Taquile

DSC_0218

Dormimos na Ilha Amantani e seguimos no dia seguinte para Taquile. Se você escolher a opção de um dia de passeio, ela será o próximo destino depois de Uros. Foram mais duas horas de barco até lá.

O mais legal no Titicaca é que cada ilha tem sua particularidade. Taquile foi bem diferente das outras duas e muito interessante também, com costumes únicos, que eu nunca tinha ouvido falar. Apesar dela ser bem turística, mantém seus costumes.

DSC_0210

Assim que chegamos o guia pediu para que nós observássemos os trajes dos moradores e nos explicou o significado de cada um. Os homens usam três tipos de gorros: os coloridos para os líderes e ex líderes da ilha, um todo vermelho e com bordados para os homens casados e um vermelho com branco para os solteiros. Além disso, eles usam bolsinhas, para levar as folhas de coca, que também têm significado: quanto mais bolsas um homem usar, ele é considerado mais amado por sua esposa. Já as mulheres, usam mantos pretos com pompons. Se elas tiverem muitos pompons, são solteiras.

DSC_0213

Outra tradição bem diferente é o do casamento. Quando um casal resolve se casar, é preciso dar uma festa para a ilha inteira! E ela dura OITO DIAS. Imagina só a festança. Não acaba por ai: no primeiro dia os noivos ficam durante todo o tempo da celebração ajoelhados para pensarem bem se é isso mesmo que eles querem (o divorcio não é aceito na comunidade). Se resistirem, é porque estão no caminho certo. Além disso, a noiva precisa cortar o cabelo bem curtinho para fazer um cinto de cabelo para o futuro marido. Ok, bem bizarro.

DSC_0212

Tudo isso foi explicado enquanto fazíamos uma caminhada de mais de 500 degraus, até o topo da ilha. Sempre lembre de comer folhas de coca, porque se não o fôlego vai pro espaço rapidinho. Quando chegamos na praça principal fomos visitar uma oficina de tecelagem, a principal atividade local. Depois fomos andar pela ilha para conhecer seus pontos principais e seguimos para um almoço com uma bela vista do Lago Titicaca.

IMG_2313

Apesar de Taquile ser muito visitada pelos turistas, os moradores não gostam de aparecer em fotos. Se você quiser fotografar alguém específico, se prepare para dar alguns soles pelo clique.

Voltei para Puno encantada ❤

Para saber mais sobre meu roteiro de 24 dias pelo Peru e Bolívia, clique aqui.

3 comentários Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s