Chiang Mai, a cidade dos templos ao norte da Tailândia que vai te conquistar

Não é à toa que Chiang Mai é a queridinha dos mochileiros: são mais de 300 templos, elefantes, cachoeiras, comida gostosa, meditação, thai massage em cada esquina à preço de banana, sem falar em todo o charme da old city, a antiga cidade murada com suas ruas repletas de monges, livrarias e turistas que conquistam qualquer um e a tornam ponto imperdível em seu roteiro pelo Sudeste Asiático.

O guia Lonely Planet resume a cidade perfeitamente com a expressão cultural darling. Reserve dias tranquilos para ficar por aqui, absorvendo a cultura do povo Lanna e aproveitando o que a cidade tem de melhor.

1
Esse senhor ❤  posando e fingindo que não tá percebendo que eu to batendo foto dele…

Quanto tempo ficar em Chiang Mai? 

É claro que isso depende muito do estilo de viagem de cada um. Chiang Mai é a segunda maior cidade do país, mas nem se compara com a vibrante e caótica Bangkok. Depois de alguns dias na capital, chegar num local com clima mais relax foi um respiro muito bem-vindo. Ficamos 4 dias e 3 noites na cidade para o Yi Peng, o Festival de Lanternas, e para o Loy Krathong (que em 2016 foram comemorados nas mesmas datas) e pra mim foi o tempo ideal para conhecer tudo com calma.

Quer saber tudo sobre o Festival? Dá uma olhada nesse post: Festival das Lanternas em Chiang Mai, Tailândia  🙂

O que fazer em Chiang Mai 

Passear pela Old City: templos, monumentos, museus e mercados

Reserve um dia para passear pela Old Walled City, apreciando a arquitetura Lanna. Utilizando o day plans do Google Trips, que podem ser salvos para funcionar em offline, partindo do portão principal, não deixe de ir no Wat Chedi Luang (80 bahts ou R$8), no templo de madeira o Wat Phan Tao e no Wat Phra Singh, que são os templos mais bonitos de dentro da cidade. Se tiver tempo, confira o Three King’s Monument e o pequeno Lanna Folklife Museum (90 bahts ou R$9), para entender um pouco mais da cultura local.

8
No antigo Wat Chedi Luang, construção do século XIV, aos fundos do templo mais moderno.

Sempre que for entrar num templo, não se esqueça das regras de respeito: joelhos, busto e ombros cobertos (para os rapazes a regra é a mesma, entrar de bermuda é considerado desrespeitoso), tirar os sapatos e não apontar os pés para Buddha, nem para ninguém. Para muitas pessoas é desconfortável sentar nessa posição, mas você pode ficar em pé no cantinho, sem problemas.

4
No interior do Wat Chedi Luang

Por sorte, chegamos no dia do Sunday Market (que acontece na rua do portão principal todo domingo começando às 16h) e foi uma ótima pedida para comer, olhar o artesanato e passear pela old city.

img_3407
Tuktuks no Sunday Market

Se estiver por aqui em um domingo não deixe de conferir. Mas todo dia na beira do rio rola o Night Market, mercado cheio de comidas de rua típicas, que é sempre um bom rolé noturno.

19

Wat Phra That Doi Suthep 

Separe ao menos meio dia para ir até o Wat Phra That Doi Suthep ou apenas Doi Suthep, nome da montanha onde o templo está localizado, há 40 minutos de carro da cidade, passeio imperdível. O ingresso custa 30 bahts (R$3) e é recomendado chegar bem cedinho, pois como principal atração turística, fica bem cheio. Horário de funcionamento: 6-18hrs.

15271713_1262973787109871_1783776637_o
Haja fôlego para os 306 degraus até o templo!

São  306 degraus até o templo, tendo a opção de usar um elevador por 20 bahts (R$2). Imagine como deve ter sido difícil construir um templo em 1383 no alto da montanha. A explicação para a escolha do local vem de uma lenda mística: o Rei Keu Naone queria construir um templo em um lugar sagrado para abrigar sua relíquia, um osso de Buddha. Sem saber qual seria este lugar, amarrou o osso nas costas de um elefante branco, que subiu a montanha e morreu em seu topo, dando o sinal de que ali seria o lugar certo.

10
Recebendo boas energias no interior do Wat Doi Suthep

Fomos até lá de táxi coletivo pela bagatela de 60 bahts (R$6) e mais 40 bahts (R$4) para voltar, ou seja, compensa mais do que combinar com o motorista ficar esperando que sai em torno de 250 bahts (R$25), sobretudo, pois passam muitos táxis descendo a estrada. Tem muita gente que aluga scooter por (R$20) a diária, aproveitando para fazer esse passeio e dar um rolê nas cachoeiras que ficam perto do templo. Na saída, pegamos outro red cab por 20 bahts (R$2) para ir até a cachoeira principal a Huai Rap Sadet Waterfall, que é possível ir a pé se estiver com tênis, tomando cuidado com os carros nas curvas da estrada. Apesar de não ser nenhuma grande cascata, vale a pena o mergulho para refrescar!

15225184_1260659154008001_1924528501_o

Elefantes  ❤

Se você tem vontade de ficar pertinho de elefantes respeitando a grandiosidade desses seres magníficos aqui é o lugar. Mas atenção animais não são brinquedos, então pesquise muito antes de escolher onde ir e opte por passeios que sejam do tipo no riding, em que os animais fiquem soltos na floresta e não sejam em hipótese alguma maltratados. Nesses locais, não andamos nos animais, mas apenas ficamos perto, alimentamos e damos banho nestes, com toda a cautela do mundo, pois afinal de contas, apesar de acostumados com seres humanos, são animais selvagens.

16

Recomendo o Elephant Nature Park, santuário que recupera animais que foram explorados no passado, dando muito carinho e amor. Se a agenda deste estiver lotada outra opção é o Dumbo Elephant Spa, com poucos animais, oferece uma opção bem intimista de passeio que pode ser de dia inteiro com almoço (2200 bahts, aproximadamente R$220) ou de meio dia (1700 bahts, aproximadamente R$170) que é mais do que o suficiente, já que basicamente é a mesma programação só que sem o almoço.

Não recomendo

Como podem ver eu sou bastante radical quando o assunto é animais em cativeiro. Por isso não recomendo jamais passeios ao Tiger Kingdom ou ao zoológico de Chiang Mai, a menos que queira tirar fotos com animais dopados, confinados em jaulas minúsculas por preços exorbitantes. 😦

Depois de ler bastante, optamos por não fazer também o passeio até a vila onde ficam as mulheres da tribo Kayan Padaung, conhecidas mundialmente como mulheres girafas, explico. Esta tribo é oriunda do Mianmar, onde a tradição de tentar alongar os pescoços é secular. Não se sabe ao certo o motivo do uso das argolas, mas existem diversas lendas que vão desde que estas serviriam para proteger de mordidas de tigres, punir as adúlteras ou apenas, para deixá-las mais belas. Mas o fato é que estas mulheres estão na Tailândia como refugiadas e o país, infelizmente, não segue as normas da ONU de tratamento aos refugiados. O povo Kayan é proibido de sair das áreas demarcadas pelo governo, não pode trabalhar e nem tem acesso à educação. No caso das mulheres, a situação é ainda pior, exploradas como atração para sustento da família.

Outros passeios

Se tivesse mais um dia faria o bate volta para Chiang Rai, nas proximidades do Laos para conhecer o belíssimo templo branco e o templo azul. Mas como são 3h de carro para e 3h para voltar, achei que seria muito puxado! Outras opções legais caso esteja com mais tempo são ir no Grand Cannyon de Chiang Mai, fazer trekkings, aulas de culinária, massagem e meditação, opções não faltam!

Para comer bem

Nossos restaurantes favoritos em Chiang Mai foram o Swan Birmanese Cousin, restaurante de comida birmanesa, com tempero sensacional, água de coco e wi-fi (317 bahts ou R$31, por entrada, prato principal e duas águas de coco) e o Cooking Love (220 bahts ou R$22, por uma comida maravilhosa!). Opções legais não faltam na cidade como o Lemongrass e o Kow Soy Siri Soy. Para tomar uma Chang e curtir um som a noite, não deixe de ir no The North Gate Jazz Co-Op, mas confira previamente se é dia de jazz para não dar de cara na porta.

18
Já perdi a conta de quantos padthai comi por aqui!

Thai Massage

Sem dúvidas, Chiang Mai é a melhor cidade da  Tailândia para fazer a famosa thai massage, massagem corporal em que utiliza-se o peso do corpo para relaxar e alongar os músculos de quem recebe o tratamento. Os preços são absurdamente baratos e opções de lugares e tipos de massagem não faltam (de R$15-50 por 1h, dependendo do lugar e do tipo de massagem). As mais comuns são a foot massage, a oil massage e a thai massage. Dos 4 dias que ficamos por lá, fizemos 3 massagens. 🙂

Recomendo o Lila (200 bahts ou R$20 por 1h) e o Phurin Massage (300 bahts ou R$30, muito bem investidos, por 1h) que possui diversas lojas na cidade, e o Abson Massage, local mais simples e muito peculiar que descobrimos por acaso (200 bahts ou R$20 por 1h). Se quiser escolher apenas um local para ir, recomendo o Abson Massage, os massagistas são muito engraçados e sensacionais! Vão te quebrar, mas você vai agradecer! Me falaram muito bem também da escola de massagem onde é possível fazer cursos, mas não tive tempo de conferir.

15225302_1260659150674668_1330222113_o

Onde ficar?

Ficamos num hostel super gracinha e com preços acessíveis chamado Oxotel. A única desvantagem é que este não está dentro do quadrado da old city, mas como tudo é relativamente perto e é muito fácil se locomover por Chiang Mai utilizando os táxis coletivos (caminhonetes vermelhinhas que cabem até 10 pessoas que custam em média 30 bahts – R$3), não foi nenhum grande problema e definitivamente o recomendaria. Mas vale a pesquisa pra ver se você acha um cantinho igualmente legal dentro do quadrado.

A Old City de Chiang Mai é um grande quadrado cercado por muros em estilo medieval construídos a mais de 700 anos para defender a cidade de ataques dos birmaneses. À beira do rio é o centro turístico da cidade.

2
O gate principal da Cidade Murada

Como chegar e se locomover em Chiang Mai

Para chegar em Chiang Mai vindo de Bangkok: existem basicamente duas opções: trem noturno ou 1 hora de avião. Como chegamos em cima da data do Festival de Lanternas, optamos pelo voo, mas em outras circunstâncias teria escolhido ir de trem, por toda a experiência que a viagem em si pode proporcionar.

Uma vez na cidade, a melhor maneira para se locomover é a pé e, dependendo da distância, os táxis coletivos. Além de divertidos, no geral, os táxis coletivos são bem mais baratos que tuk tuk e passam, literalmente, de 1 em 1 minuto. É bom dar aquela barganhada básica, perguntar o valor antes e propor o seu preço. No geral, para percursos dentro da cidade o preço varia entre 20-30 bahts (R$2-3).

Uma dica interessante é pegar um cartão de onde você tá hospedado, como o nome em tailandês, para facilitar a explicação para o motorista. Inclusive, nós sempre pedíamos para o pessoal da recepção escrever em thai para gente o local de onde queríamos ir, o que era um super adianto, apesar da maioria dos motoristas entender o básico de inglês.

15
Táxis coletivos na estrada do Wat Doi Suthep. Melhor opção para se locomover pela cidade.

Você pode também alugar uma scooter (em torno de 200 bahts ou R$20, diária) ou uma bike (em torno de 70 bahts ou R$7, diária), mas vá com cuidado! Vi em toda a Tailândia muita gente machucada por ter caído, sem falar nos custos do conserto que podem ser quase o preço da moto.

Quer ver mais fotos dessa viagem? Confira a #aventuraasiática e o Instagram @bloggiramundo.

Outros posts sobre a Tailândia:

Festival das Lanternas em Chiang Mai, Tailândia
Chegando na Tailândia: dicas antes de sair do aeroporto BKK
GUIA BANGKOK
Tailândia parte I
Quanto custa uma viagem para o Sudeste Asiático?
Nossas ilhas escolhidas na Tailândia

Bom giro! 🙂

2 comentários Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s