Home Europa Pompéia, ruínas de uma cidade devastada pela fúria do Vesúvio

Pompéia, ruínas de uma cidade devastada pela fúria do Vesúvio

por Gabriela Mendes
Pompéia, ruínas de uma cidade devastada pela fúria do Vesúvio

Se você está em Nápoles ou em Roma e tem dias suficientes para fazer os passeios básicos,  não deixe de incluir as ruínas de Pompéia. O sítio arqueológico fica a 30min de Nápoles e é uma viagem ao tempo. A cidade que foi devastada pela fúria do vulcão Vesúvio guarda o mistério e uma história impressionante que resistiu ao desastre. Milhares de anos após a erupção ela é como uma cidade fantasma, mas atrai os olhares dos turistas curiosos, que observam como era seu funcionamento e admiram as obras de arte e ruínas que conseguiram ser preservadas.

Saiba aqui todas as dicas para descobrir a famosa Pompéia.

Um pouco de história

DSC_1027_2

Pompéia era uma cidade próspera, com 20mil habitantes e bastante ativa. O Vesúvio não entrava em atividade há centenas de anos e a primeira explosão anunciou a desgraça no ano de 79 d.C. Após a explosão se seguiu uma chuva de gases tóxicos, mas especialistas acreditam que o que matou a população foi o extremo calor de cerca de 250 graus. Como a cidade é cercada por uma muralha muitos não conseguiram fugir e cerca de 16mil pessoas morreram. Vinte séculos mais tarde a cidade perdida foi descoberta e as escavações começaram. Até hoje 20% da cidade ainda não foi recuperada.

Se preparando para a visita

Pompéia é bem grande, não se esqueça que era uma cidade estruturada e ativa. Portanto, leva tempo para conhecer bem os pontos principais e a dica é pegar o mapa e traçar os lugares de sua preferência.

Não deixe de ver a Casa do Fauno, Casa dos Vetii, Termas do Fórum, Teatro Grande e Teatro Pequeno, Villa dos Mistérios, Templo de Apolo, o Anfiteatro e o Horto dos Fugitivos. Eu fiquei quase cinco horas e não consegui ver nem a metade!

DSC_0031_3

O escultura de fauno que deu origem ao nome de uma das casas mais ricas de Pompéia

É importante usar uma roupa leve, principalmente se for verão, e um sapato bem confortável.

Leve lanche e água, pois o único lugar que tem para comer dentro de Pompéia é uma lanchonete bem fraca e cara. Lá dentro tem algumas fontes de água potável para encher a garrafinha.

Uma dica importante é alugar um audioguia para conhecer melhor a história do local. Como só restam ruínas, a visita fica bem mais interessante quando se sabe como funcionava cada lugar.

DSC_0059_3 cópia

Quando ir

Pompéia fica aberta o ano todo menos 1 de Janeiro, 1 de Maio e 25 de Dezembro. É melhor de visitar quando o tempo está bom, sem chuva, pois o passeio é todo ao ar livre. No verão fica muito quente! O bom é ir bem cedinho ou no final da tarde.

DSC_0066_3

A Casa dos Mistérios estava sendo restaurada quando eu visitei, mas na Europa não tem jeito, tudo sempre está em restauração.

Quanto custa

O preço normal é de 11 euros , mas quem tem nacionalidade européia tem benefícios 😉 Para estudantes da UE entre 18 e 25 anos custa metade do preço, €5,50, e é gratuito para quem tem menos de 18 ou mais de 65. Basta apresentar sua identidade da UE. Eles distribuem folhetos gratuitos falando de todas as ruínas e é possível alugar um audioguia por €6,50 ou €5,00 se alugar mais de um.

IMG_3687

Dica: assim que sair da estação não pare no primeiro quiosque que vende entradas para Pompéia. É uma empresa privada que vende tours guiados (ao menos que você queira). A bilheteria oficial fica um pouco mais adiante.

Como ir

O trem para Pompéia parte da Estação Central de Nápoles, também chamada de Garibaldi. Basta seguir as placas para a ferrovia regional, a Circumvesuviana. O bilhete custou €4,80, ida e volta, e da direito a andar nos outros transportes públicos. É importante pegar a direção para Sorrento e saltar na estação Pompei Scavi.  O trajeto demora uns 30min. Não se assuste com as condições do trem: é bem sujo e velho.

Dica: eu não recomendo um bate-volta partindo de Roma para visitar Pompéia e Nápoles. Além de ser muito cansativo, Nápoles tem muita coisa pra ver em meio dia. O melhor é se hospedar lá por dois ou três noites e tirar uma tarde para ir a Pompéia.

DSC_0049_3

Em Pompéia, é possível encontrar diversas casas com as paredes bem conservadas e que são sempre restauradas

Para se aprofundar ainda mais nas ruínas do Vesúvio

Existem outros dois sítios arqueológicos perto de Pompéia, Ercolano, Oplontis, Stabia e Boscoreale. Eles são bem menos visitados e menores. Para conhecer todos é preciso mais de um dia e existe um “pacote” dos cinco por 20 euros com validade de 3 dias.

Além disso, em Nápoles há o Museu Arqueológico Nacional (MANN), onde os maiores tesouros arqueológicos estão localizados, inclusive os de Pompéia. Pisos, objetos pessoais, obras de arte e mosáicos fazem parte do acervo e é uma boa forma de complementar a visita das ruínas.

 

 

Quer saber mais sobre a minha viagem na Itália?

Guia de Nápoles: todas as dicas para conhecer a cidade italiana + bate-voltas
Roteiro de 20 dias na Itália

Posts relacionados

3 Comentários

Roteiro de 20 dias na Itália | Ecdemomania 07/08/2014 - 18:29

[…] fica nos bairros altos. Sem contar que é um bom lugar para ficar de base e conhecer as ruínas de Pompéia e a Costa Amalfitana. Ficamos três […]

Reply
Bate-e-volta nas ruínas de Tiwanaku, em La Paz – Gira Mundo 01/08/2017 - 12:43

[…] Pompéia, ruínas de uma cidade devastada pela fúria do Vesúvio […]

Reply
Guia de Nápoles: o que fazer, onde comer, onde se hospedar e bate-voltas – Gira Mundo 17/10/2017 - 11:03

[…] parada para quem quer seguir para a Costa Amalfitana, Capri, Sorrento ou conhecer as ruínas de Pompeia e […]

Reply

Deixar um comentário

pt_BRPT_BR
en_USEN pt_BRPT_BR