Home Cuba O que fazer em Havana, Cuba

O que fazer em Havana, Cuba

por Ursulla Lodi
O que fazer em Havana, Cuba

Eis que depois da cicloviagem mexicana junto do meu amigo Pedro e seu projeto de viagens de bicicleta e sustentabilidade, o Bike Myself – em que pedalamos mais de 1000 quilômetros descendo o México, passando por Belize (sim, cruzamos uma fronteira de bike!) – embalei minha fiel amiga em plástico bolha, assinei a papelada do visto cubano e voei para Havana, Cuba, desta vez, solita, literalmente, by myself.

Tive a sorte de ficar em uma hospedagem com um cubano queridíssimo, o Yuri. Junto com outros viajantes e um espanhol que estava vivendo em Havana, formamos um grupo muito animado. Pude conhecer muita coisa que jamais conheceria se não tivesse aberta para outras possibilidades, sempre tentando ir além do roteiro padrão.

Neste post, além de algumas dicas de atrações tradicionais, vou dar sugestões alternativas do que fazer em Havana.

Seria um sonho: chegar em Cuba de bike!

💡Para saber mais da experiência de viajar sozinha por lá e das minhas impressões de Cuba, veja o post Fui Sozinha: Havana, num incentivo feminino para viajantes solas, pois neste post o foco são as dicas do que fazer por lá.

Então vai para Cuba!

Cuba é muito julgada. Sobretudo por pessoas que nunca foram para lá. Fui com o pensamento de que queria tentar entender Cuba. Mas a primeira coisa que compreendi é que não dá para entender Cuba. O que devemos fazer é tentar ter a experiência mais autêntica possível, por isso, minha principal recomendação é se hospede com locais. Afinal, os programas do dia-a-dia são os mais interessantes para se fazer e estes serão as melhores pessoas para te dar dicas!

💡Para ter mais dicas de onde se hospedar, onde comer e como se virar em Cuba, confira este Guia de sobrevivência básico

Roteiro turístico em Havana, por região da cidade

Sair do aeroporto e dar de cara com vários carros dos anos 50 é um primeiro impacto para quase todos os viajantes. Mas se engana quem acha que Cuba, por força do embargo, parou no tempo entre o charme e a decadência. Por mais que, muitas vezes, pareça que estamos vivendo num cenário do passado, na verdade, trata-se de um convite para uma realidade paralela, uma outra forma de viver esta vida, em que é impossível ficar indiferente.

Havana é um lugar único entre a majestade e a calamidade, prepara-se para ser parado na rua, por moradores querendo saber da sua vida e querendo contar da deles. Esta é uma das melhores atrações de Cuba.

Com muitas praças e edifícios do tempo da colonização espanhola, museus dedicados à Revolução e claro, mojitos e praias caribenhas.

Havana Vieja

O bairro mais turístico, sem dúvidas é Havana Vieja. Por aqui que circula mais cucs, a moeda turística, cujo valor é similar ao dólar, que vem sendo investidos na reforma dos antigos e imponentes edifícios. Mas não deixa de ser também um bairro residencial.

É muito gostoso apenas circular por aqui, apreciando sua singularidade. Cheia de bares, praças e paladares – como são chamados os pequenos restaurantes familiares. Destine ao menos um dia para conhecer esta região da cidade.

a bandeira, nas construções de Havana Vieja

As principais atrações são a Plaza de la Catedral, onde fica a Catedral de la Vírgen María de la Concepción Inmaculada de la Habana, a igreja em estilo barroco mais bonita de Havana. Não deixe de ir também na Plaza de Armas, uma das mais arborizadas e antigas da cidade. Com uma feirinha de livros antigos, é também onde fica o Palacio de los Capitanes Generales. Pertinho dali, fica o Castillo de la Real Fuerza, a fortaleza mais antiga das Américas. Seu ícone de uma mulher em bronze, La Giraldilla, estampa as garrafas de rum da Havana Club. Outra praça muito agradável, rodeada de construções coloridas e cervejarias é a Plaza Vieja.

Na região portuária, à beira mar,  fica a Plaza de San Francisco de Assis, com muitos prédios elegantes e calçamento de paralelepípido. É aqui que fica a Igreja e Monastério de São Francisco de Assis, que hoje em dia abriga uma casa de concertos de música clássica, além de um museu de arte religiosa. Durante a colonização de Cuba, os navios atracavam bem aqui, mas este movimento todo de gente fez com que os franciscanos se mudassem.

Confira também a Calle Obispo, uma das mais turísticas da cidade cheia de lojinhas de souvenires, com som de salsa e rumba ao fundo. Mas por aqui, se você procurar bem, existem vários restaurantes que vendem lagosta por preços justos.

Havana Vieja também é famosa por seus bares icônicos. O mais conhecido é o La Bodeguita del Medio que ganhou fama pelas celebridades, como o escritor Ernest Hemingway, Salvador Allende, Nat King Cole e o próprio Fidel Castro, que costumavam tomar seu mojito por lá nos tempos pré-revolucionários. Em frente fica o El Floridita, o bar que criou o daiquiri. Prepare-se para filas de turistas, mas o drinque é o mais gostoso e caro de Havana. Se é um fã do rum, não deixe de ir no Museu do Rum na Fundación Havana Club onde visitas bilíngues apresentam a produção da bebida, do início ao fim, por um preço bem salgado, em cucs.

Muitos turistas atrás de mojitos!

Se curte requinte, vá até o terraço do famoso terraço do Hotel Ambos os Mundos, eu particularmente passei, já que fiquei boa parte do meu tempo apenas perambulando na companhia do Yuri e das novas amizades.

Em Havana Vieja também fica o Mercado de Artesania, onde encontramos muitos quadros de artistas locais e lembrancinhas de viagem, salvo o rum e o charuto, que são comprados em lojas específicas, com auxílio estatal.

Centro de Havana

A zona central, ao lado de Havana Vieja, é um bairro residencial, com muitos prédios institucionais –Foi nesta região da cidade que fica a Casa de Hatuey, onde me hospedei. É onde fica o famoso Capitólio,  além dos maiores museus de Havana, como o Museu de Belas Artes e o Museu de la Revolución onde era a antigo palacete presidencial, cuja visita é imperdível para entender um pouquinho mais da história recente de Cuba.

Capitólio e centro de Havana

O icônico Capitólio, inspirado no Capitólio americano de Washington é uma réplica ainda mais exuberante. Foi a sede do governo da sua construção, na década de 20, até a Revolução Cubana. Vigentemente é a sede da Academia Cubana de Ciências e da Biblioteca Nacional de Ciência e Tecnologia, encontrando-se em uma vagarosa reforma, devido à dificuldade de importar materiais.

O edifício fica no Parque Central, a praça principal do Centro cheia de carros antigos super estilosos e coloridos. Por aqui ficam o Hotel Inglaterra e o Hotel Manzana Kempinski, cujo terraço à noite oferece uma bela vista, além de drinks com preços relativamente acessíveis.

💡Do Parque Central que partem vários ônibus bate-volta para conhecer as Playas del Este, como a de Santa María del Mar – Linha 3.

A Fabrica de Tabacos Partagás também fica no Centro. A fábrica que é uma das mais antigas do país, fundada em 1845 é um dos melhores locais para comprar charutos.

💡Não é muito recomendado comprar charutos na rua, pode parecer tentador pelo preço, mas muitos são falsificados ou de produção duvidosa.

Conheça também o Prado, a primeira rua a ser construída do lado de fora da antiga muralha da cidade, no século XVIII, cenário de campanhas da Chanel devido às belas construções coloridas em estilo europeu. Aproveite para ir andando até o famoso Malecón, a avenida à beira-mar que vai até o bairro  universitário de Vedado é um dos cartões postais de Havana: de um lado os antigos sobrados, do outro, o mar agitado batendo na mureta. Um belo local para ver o pôr-do-sol. 🙂

Malecón

Por aqui fica um dos principais pontos turísticos, a Fortaleza de San Carlos de la Cabaña, um complexo militar gigantesco que protegia Havana durante sua colonização, que proporciona para nós, turistas, uma linda vista da cidade de outro ângulo da Baía.

Todas as noites, às 21 horas, acontece o conhecido cañonazo, uma encenação teatral gratuita em que disparam um canhão, de verdade! A apresentação representa o fechamento das muralhas da capital cubana que ocorria desde o século XVIII até o XIX, quando, enfim, as muralhas que protegiam e cercavam Havana foram derrubadas. O disparo do canhão era o sinal indicador que as portas da cidade seriam fechadas.

Mas é bom saber que além desta cerimônia, dentro da fortaleza encontramos lojinhas e restaurantes e o Museo de Comandancia del Che,  que nós remete à tempos passados de Cuba e de seu pós-revolução, já que foi um dos pontos estratégicos ocupados por Che Guevara. No seu interior há, inclusive, objetos pessoais e mobiliário do próprio guerrilheiro, portanto, chegue antes já que o museu fecha antes da encenação.

Outra fortaleza de Havana, no Malecón, é o Castillo de los Tres Santos Reyes Magnos del Morro. No entanto, para subir até o topo da antiga construção, onde fica também o Museu Marítimo, é preciso pagar.

Vedado

Vedado é um bairro mais moderninho – se é que se pode falar assim, tratando-se de Havana – onde vivia a alta sociedade Cubana, nos tempos pré-revolucionários. Muitos destes acabaram por abondar o país depois de 1959, deixando para trás suas belas mansões. Trata-se também de um bairro universitário onde fica a Universidad de La Habana, cinemas, a Coppelia e a Fabrica de Arte Cubano, que comento abaixo nas dicas alternativas do que fazer em Cuba, para sair do roteiro tradicional.

Em Vedado também fica a famosa Praça da Revolução, onde localizam-se o Ministério do Interior e o Centro de Telecomunicações, cujas fachadas são decoradas pelos rostos de Che Guevara e Camilo Cienfuegos. Na parte sul da praça fica o Memorial a José Martí, um obelisco do mártir da Independência cubana, que é um ótimo camarote com vista panorâmica.

Um edifício icônico de Vedado é o Havana Libre. Na verdade, trata-se de um hotel, construído como o Hilton de Havana. Com a Revolução Cubana, o hotel foi transformado em quartel dos guerrilheiros, inclusive Fidel Castro, onde funcionou a sede do governo revolucionário durante os primeiros meses pós-Batista. Apesar de ter parado no tempo, ainda é possível se hospedar ali ainda hoje. Mesmo sem reservar uma noite no hotel é interessante passear por seu lobby retrô, cheio de fotografias dos revolucionários posando ali, naquele mesmo local.

💡Não deixe de maneira alguma de ir na Sorveteria Coppelia e tomar muito sorvete por preço de banana e no cinema Yara, vivendo um pouquinho do lazer cubano. Ambos ficam em Vedado, conto mais aqui embaixo, nas dicas alternativas.

💡Confira também a Callejón de Hamel, um pequeno beco com galerias de arte, que vibra a ancestralidade negra do país.

Dicas alternativas do que fazer em Cuba

A FAC além de ser uma baladinha tem muitas exposições de arte, cinema e gastronomia, não deixe de ir!

FAC – Fabrica de Arte Cubano

A FAC, chamada de La Fabrica, é, na verdade, uma antiga fábrica de óleo de cozinha de 1910 transformada em galeria de arte e boate, com apresentações de música ao vivo de ótima qualidade que ficam ainda melhor acompanhadas de mojitos. A Fabrica de Arte Cubano é muito popular entre turistas e jovens locais. Fui para lá duas vezes e adorei, mesmo não sendo uma pessoa muito badaladeira. O lugar é enorme e podemos andar pelas exposições de fotografia, cinema e arte contemporânea quando cansarmos da música e do clima de night do primeiro andar. Em seu interior funcionam também restaurantes.

Teatro Bertol Brech

Outra opção noturna de apresentações de música ao vivo incrível e ainda mais autêntica, já que é praticamente frequentada apenas por jovens cubanos. Não deixe de ir! Por aqui tem agito quase todos os dias. Confira um pouquinho da atmosfera no vídeo:

Comer todo sorvete que você conseguir na Coppelia

A Coppelia é uma sorveteria estatal cubana que atende até 35 mil pessoas por dia, tendo sido criada em 1966, como projeto pessoal de Fidel. Visitá-la e tomar todo o sorvete que você conseguir por poucas moedas é uma experiência antropológica – sobretudo, para crianças criadas no capitalismo. Prepare-se para pegar uma cola, a fila pode ser grande, mas é organizada. Dê preferência para ir em dias de semana, quando a unidade principal conhecida como La Catedral del Helado, que ocupa quase um quarteirão inteiro de Vedado, é mais vazia.

Ir no cinema… ou no circo

Como comentei, as programações do dia-a-dia são as mais interessantes para vivenciar em Cuba, na minha opinião. Ainda mais tratando-se de clássicos do Cinema Cubano ou de um espetáculo de Circo tradicional, que deixam a criança que vive em cada um de nós mais contente! A vida cultural em Havana é muito rica e com diversas opções que não custam tanto para o bolso, ainda mais para bolsos estrangeiros. O cinema mais famoso é o Yara, em Vedado.

Dia de circo!

💡Eu ignorava completamente o cinema cubano até… ir para Cuba! Ver alguns clássicos antes de visitar o país pode ser, além de muito inspirador, uma ótima maneira nesta busca utópica de tentar entender Cuba, através de cineastas que conseguem entrar pelo buraquinho do portal social por suas lentes.

Dia de praia nas Playas del Este

Vamos a la playa!

As Playas del Este são a melhor opção a quem vai a Cuba e quer ver o Caribe, mas não pretende sair de Havana. Na verdade tratam-se de 6 praias, muito frequentadas por locais e cada vez mais descobertas por turistas. Não fui para Varadero, por ter apenas uma semana em Cuba, preferi desbravar Havana, mas a vantagem é de conseguir achar alguma autenticidade, devido a menor exploração turística.

Sobre as praias há opções para todo tipo de público, sendo a Santa María del Mar a mais procurada por ter uma melhor infraestrutura, com ônibus porta à porta saindo do Centro. Boca Ciega é uma praia LGBTI+ friendly, enquanto Tarará é a mais procurada para fazer mergulho em águas cristalinas, sendo porém melhor se informar antes!

💡As praias ficam um pouco afastadas de Havana, e podem ser acessadas através de táxis  – a forma mais cara, mas você pode sempre tentar dividir com outros turistas –  ou de forma mais prática, tomando o ônibus hop on/hop off que vai até lá. É só pegar a linha 3, que sai do Parque Central.

Azul caribe… Nada mal e sem sair da capital!

Fusterlandia

Se tiver tempo hábil, pode ser um passeio bem agradável ir até a Fusterlandia e conhecer os mosaicos de José Fuster, popularmente chamado de Gaudi cubano. A casa fica  no bairro Jaimanitas, sendo válido até mesmo para conhecer outra região da cidade, Havana Nova.

Fusterlandia <3

Com olhos de novidade, tudo pode ser interessante em Cuba, até tentar um cartão para se conectar no wi-fi ou uma longa viagem de ônibus, por poucas moedas. Como sempre, vale o lembrete para viajar sendo respeitoso com a cultura local. 

Bom giro!

 

Posts relacionados

Deixar um comentário

EnglishFrenchPortugueseSpanish