Home Europa Guia de Paris: dicas e informações essenciais para planejar sua viagem

Guia de Paris: dicas e informações essenciais para planejar sua viagem

por Gabriela Mendes
guia-paris-o-que-fazer-planejar-viagem

Não falta o que fazer em Paris e, por isso, pra montar direitinho seu roteiro de sonho pela cidade, é preciso saber das melhores dicas.  É tudo de suspirar mesmo, desde as experiências mais clássicas como conhecer a Torre Eiffel e passear na Champs Elysées, até o charme de sentar em um café e observar o movimento da rua, descobrir praças ao virar uma esquina por engano ou um restaurante, que é um portinha, mas é maravilhoso e não estava no seu guia.

Desde que eu fui a Paris pela primeira vez, em 2011, e em todas as vezes que eu voltei, nunca tive uma viagem igual. Mas, sem dúvidas, o que mais me encanta na cidade é praticar, ao máximo, o verbo flâner – ou flanar em português – a arte de andar sem rumo, perambular e, assim, se admirar com as surpresas do caminho. E, é claro, não ter pressa, nunca. Em Paris, menos é mais, por isso não corra para conhecer todas as atrações, desacelere, admire, deixe se perder, é uma delícia.

Para deixar sua viagem ainda mais especial, nós preparamos um guia com todas as dicas essenciais para sua primeira (ou milésima) vez em Paris. Olha só!

guia-paris-o-que-fazer-planejar-viagem

Bateau-mouche no Rio Sena, o passeio de barco mais famoso de Paris

O que fazer em Paris

O basicão

É claro que se for sua primeira vez em Paris não abra mão do basicão, mas não se prenda a ele. Conheça a Torre Eiffel, Champs-Elysées, Notre Dame, Montmartre, Sacre-Coeur, o Louvre, Musée D’Orsay, mas, provavelmente, você não vai conseguir fazer tudo de uma vez só, passeie com calma e deixe o que faltou para as próximas vezes.

Dica – sobre o Louvre: na minha opinião não vale a pena entrar no Louvre se você tiver poucos dias na cidade e não for louco por arte. O museu é incrível sim, mas lembre que ele é gigantesco e acaba levando um dia inteiro.
Dica – ingressos: compre os ingressos das atrações com antecedência e evite perder tempo nas filas, que costumam ser gigantescas! Nosso parceiro Get Your Guides tem os melhores preços, clique aqui para ver.
Dica – Paris do alto: Suba em algum dos pontos turísticos altos para ver Paris de cima. Há visuais bonitos na Torre Eiffel, Arco do Triunfo, Tour Montparnasse (minha vista preferida).

Veja aqui as 8 atrações essenciais de Paris

Como conhecer o Castelo de Versalhes em um bate-volta de Paris

Atrações e programações infinitas fora do básico

Paris não se limita às atrações clássicas e até quem mora lá fala que é impossível conhecer tudo que a cidade tem a oferecer. Por isso, se permita explorar, ir a bairros menos turísticos, ande, ande, ande até não aguentar mais. Essa é a melhor forma de conhecer as atrações e sentir o clima da cidade.

Alguns dos lugares que eu mais gosto são o bairro 13eme, chamado de Quartier Chinois, o parque de Bercy, a caminhada da Rue de Passy até a Torre Eiffel, os parques Bois de Boulogne e Bois de Vincennes, muitos museus, os cantinhos escondidos do Marais, como o Jardin des Rosiers, e as feiras de rua.

Veja mais programações alternativas na cidade (em breve).

guia-paris-planejar-viagem

Jardin des Rosiers, um cantinho escondido no meio do bairro Marais

Jardin des Rosiers, um cantinho escondido no meio do bairro Marais

Onde comer em Paris

É preciso esclarecer que comer em Paris não é barato, mas, dentro dessa realidade, a cidade tem restaurantes para todas as fomes e bolsos.

Dica 1: aproveite as formules midi: menus de almoço com prato principal + entrada e/ou sobremesa. Elas custam cerca de 20 €.
Dica 2: fuja de restaurantes óbvios em pontos turísticos. Apesar da França ser um lugar com uma gastronomia sensacional, em Paris não é tão fácil comer bem e a cidade é recheada de restaurantes pega-turista. Prefira bistrôs escondidos e nossas dicas.
Dica 3: se esbalde nos crepes de rua. Eles são uma ótima pedida de comida rápida, gostosa e baratinha. Custam cerca de 3 €.
Dica 4: vinho é mais barato que refrigerante/suco ou qualquer outra bebida.  
Dica 5: eu amo a gastronomia francesa, mas Paris é um lugar excelente para provar os sabores do mundo. Chineses, vietnamitas, indianos, gregos, japoneses, árabes, você encontra um cantinho de cada país com preços bem convidativos.
Dica 6: use e abuse dos supermercados, eles são uma verdadeira maravilha, com muitos queijos, frios, vinhos, além de ser uma excelente opção para economizar. O mesmo vale para as padarias de bairro!

Alguns restaurantes que eu recomendo em Paris

Franceses: Le Procope, Benedict, Josephine, Chez Gladines
Comidas rápidas: L’As du Fallafel, Oh! Régalade de la Tour Eiffel
Gastronomia do mundo: ACE gourmet bento, Pho 24, Le Bambou
Doces: Ladurée, L’éclair de Génie, AngelinaAux Merveilleux de Fred

Saiba aqui os melhores lugares para comer em Paris (em breve).

Onde ficar em Paris

Se for sua primeira vez na cidade e você tiver poucos dias, é claro que o ideal é se hospedar em uma área central. A mais bem localizada sempre é nos arredores de Châtelet, Marais, Bastilha e Saint Germain. Porém, assim como centrais, são as áreas mais caras da cidade.

Porém, se o orçamento for apertado, não se preocupe em ficar mais distante das principais atrações, só se assegure de ficar próximo ao metrô. É bem legal se hospedar em lugares mais residenciais, saindo do buxixo turístico e curtindo a cidade com um climinha mais parisiense. Eu amo o 13eme arrondissement, nos bairros Quartier Chinois, Bercy e Butte-aux-Cailles. Montmartre também pode ser uma boa.

Dica 1: sempre faça a reserva da acomodação com antecedência! Paris é a cidade mais visitada do mundo, portanto, seus hotéis sempre estão lotados, para conseguir boas opções é preciso ter planejamento. Reserve com, pelo menos, dois meses de antecedência.
Dica 2: faça suas reservas pelo nosso link do Booking e ajude a manter o blog no ar.

guia-paris-o-que-fazer-planejar-viagem

Rio Sena e apartamentos na Île Saint-Louis

Nossa seleção de hotéis em Paris

Low-coast – até 50 €: Oops! Latin quarter by Hiphophostels || Le Village Montmartre by Hiphophostels || St Christopher’s Inn Paris – Canal || Les Piaules

Conforto – de 50 € a 150 €: ibis Paris Bastille Opera  || citizenM Paris Gare de Lyon || Hotel Abbatial St Germain || Hotel Zora || Generator Paris || Hotel Michelet Odeon

Luxo – mais de 150 €: Novotel Paris Les Halles || Hotel Montalembert || Best Western Premier Ducs de Bourgogne || La Clef Louvre || Best Western Premier Opéra Opal

Airbnbs/aluguéis de temporada

Airbnb e apartamentos costumavam ser as melhores opções custo x benefício de Paris, porém, há pouco tempo o governo tem tomado medidas para banir esse tipo de acomodação da cidade, que é ótima para turistas, mas um verdadeiro pesadelo pra quem mora por lá, já que fica cada vez mais difícil de alugar apartamentos para morar. Por isso, as opções que restam estão super disputadas, sendo necessário reservar com uma antecedência ainda maior.

Da última vez que eu fui a Paris fiquei em um Airbnb minúsculo, mas bem confortável no 13eme, o Quartier Chinois, que é um bairro 100% residencial. Clique aqui para ver.

Outras opções: CHAMPS-ÉLYSÉE, ARC DE TRIOMPHE, EIFFEL TOWER flat || Cosy studio in the heart of Paris || Beautiful cosy bedroom Marais-Répu.

Ganhe um desconto de R$130 na sua primeira viagem do Airbnb!

Como se locomover em Paris

A pé

Suas pernas são sempre a melhor escolha para se locomover pela cidade, já que as ruas de Paris são cheias de vida e o trânsito não é dos melhores. Coloque o sapato mais confortável que você tiver na mala e quando cansar, pegue o metrô.

guia-paris-o-que-fazer-planejar-viagem

Descendo a charmosa Rue de Passy até a Torre Eiffel

Metrô/RER/Ônibus

O metrô funciona muito bem em Paris. Ele pode ser assustador no primeiro momento, porque há muitas linhas, mas você pode ir a quase todos os lugares da cidade. 

Já o RER é interligado com o metrô, mas fique ligado que os bilhetes são separados! Você vai usar mais o RER se for para o Castelo de Versalhes ou estiver hospedado fora da grande Paris. 

Apesar do sistema de ônibus ser bem eficiente em Paris, eu prefiro recomendar o metrô para quem não conhece a cidade.

Quanto custa: a passagem unitária do metrô, RER ou ônibus 1,90 €, porém, dependendo de quanto tempo você vai ficar na cidade, vale a pena ver os passes de mais dias como o Forfait Paris Visite, que dá direito a transportes ilimitados de 1 a 5 dias, a partir de 12 €.

Baixe aqui o mapa de transporte público em Paris.

guia-paris-o-que-fazer-planejar-viagem

Entrada do metrô da Praça do Trocadéro, perto da Torre Eiffel

Uber/táxi

Os táxis em Paris funcionam muito bem e a tarifa mínima da corrida é 6,20 €. Porém, a cidade tem bastante trânsito e, por isso, prefiro sempre utilizar os transportes públicos. Eles podem ser identificados pela plaquinha que fica em cima dos veículos. O Uber e outros serviços de carros particulares são regulamentados e costumam ser mais baratos que táxis. 

Bicicleta

Andar de bike em Paris é uma delícia! Há anos existem as clássicas VeliB’s, estações de bicicletas públicas por toda a cidade, porém recentemente elas estão sendo trocadas e nem todas as estações estão ativas. A boa notícia é que muitas delas agora são elétricas, o que facilita muito para quem fica em bairros no alto de Paris. Funciona assim: o passe de 24h é grátis, mas a cada 30min excedentes, você paga 1 €.

Além das VeliB’s, há uma novidade: as bikes públicas que não tem estações, isso mesmo, elas ficam paradas na calçada! Eu achei muito legal quando eu vi, uma das melhores é a empresa Mobike.

Quantos dias ficar em Paris

O tempo mínimo para conhecer Paris são quatro dias inteiros. É claro que na maioria dos casos as pessoas conseguem reservar 2 ou 3 dias, mas não se preocupe se for seu caso. Paris vai te dar mil motivos para voltar, mesmo ficando um mês. Curta ao máximo o tempo que der.

guia-paris-planejar-viagem-o-que-fazer

Banca de Jornal em Passy, um dos bairros mais elegantes de Paris

Quando ir a Paris

Todas as estações são lindas em Paris, mas prefira sempre a primavera e outono, que são estações com uma temperatura amena e com menos turistas. Veja os prós e contras de cada uma delas:

Primavera/ outono – final de março, abril, maio e junho/ final de setembro, outubro, novembro
Média de temperatura: 
6º a 20º.
Prós: a cidade fica linda, florida, as temperaturas são ótimas e não tem tantos turistas quanto no verão.
Contras: acho que não tem! Eu adoro Paris nessa época.
Obs: a maioria das fotos da matérias é da última viagem que eu fiz no final do outono. 

Verão – junho, julho, agosto, início de setembro
Média de temperatura:
15º a 25º, mas lembrando que pode fazer até 30º dependendo do ano.
Prós: a cidade fica alegre e os dias são lindos. Os melhores meses são junho, julho e setembro.
Contras: normalmente o clima fica ameno, mas você pode dar a má sorte de pegar uma semana (ou mais) de ondas de calor intensas e aí pode pode ficar muito, mas muito quente, em um nível de não conseguir dormir de calor à noite (porque a maioria dos lugares não tem ar-condicionado. Evite o mês de agosto, quando muito restaurantes fecham para as férias.

Inverno – dezembro, janeiro, fevereiro.
Média de temperatura:
1º a 10º.
Prós: pra quem mora no calor, pegar um friozinho pode sempre ser uma boa ideia, sem contar que você pode combinar a viagem com destinos de neve.
Contras: chove bem mais do que as outras épocas, dificultando um pouco as andanças. Mas nunca atrapalhou minha viagem.

Língua e simpatia parisiense (ou a falta dela)

Muitos viajantes cometem o erro de generalizar os franceses como antipáticos devido à experiências desagradáveis que tiveram em Paris. Porém, é preciso esclarecer que a cidade, apesar de ser capital, não representa a forma de ser de um país inteiro, que tem inúmeras nuances e diferentes costumes em cada região. Quem acompanha o blog, sabe da experiência incrível que eu tive fazendo intercâmbio em Lyon.

Há dois pontos importantes: o primeiro é que é verdade que as pessoas não costumam ser muito abertas e sorridentes em Paris, que é uma cidade grande, a mais visitada do mundo e fica lotada de turistas o ano inteiro. Há uma certa “saturação” do turismo, que é bem polêmica. O segundo ponto é que muita gente acha que, só porque está fora do Brasil, é OK de sair falando inglês com as pessoas e elas são obrigadas a entender. Não, você não está em um país anglofônico e é muito rude sair falando em inglês sem nem antes falar um bonjour, ainda mais em um país tão nacionalista quanto a França.

Por isso, é essencial que você comece qualquer conversa ou pergunta falando um bonjour (bom-dia), bonsoir (boa noite), salut (oi), je ne parle pas français (eu não falo francês). Pode ter certeza que o tratamento será bem diferente!

como-estudar-morar-lyon

Minha família francesa, em Lyon <3

ROTEIRO PERSONALIZADO – nós planejamos toda sua viagem e entregamos um roteiro detalhado com sugestão de passeios dia a dia, dicas de restaurantes, locomoção e melhores atrações. Também fazemos assessoria de passagens aéreas, hotéis e tudo que você precisar. Perfeito pra quem ama viajar, mas não gosta ou não tem tempo de se programar.

HOSPEDAGEM – reserve seu hotel com o nosso link do Booking e ajude a manter o blog no ar! Não tem nenhuma alteração de preço pra você, mas nós ganhamos uma pequena comissão.

ALUGUEL DE CARRO – nosso parceiro de reservas é o RentCars, que faz busca das melhores tarifas com as principais locadoras.

Posts relacionados

Deixar um comentário

pt_BRPT_BR
en_USEN pt_BRPT_BR